Passaredo recorre à justiça para não quebrar

Companhia aérea regional está com problema de caixa e com uma dívida acumulada de R$ 100 milhões

CEVA reage positivamente a quedas no mercado aéreo e fecha 1º trimestre no verde
Lufthansa transporta 25 toneladas de suprimentos de emergência para as Filipinas
Embraer recebe certificado de produção para os jatos Phenom 300 nos EUA

A regional Passaredo Linhas Aéreas iniciou na última sexta-feira (19) um processo de recuperação judicial  na 8ª Vara Cível de Ribeirão Preto (SP). Segundo o advogado da companhia, Aires Vigo, a companhia aérea está com problema de caixa e com uma dívida de R$ 100 milhões.

Desse total, em torno de R$ 50 milhões são débitos com bancos, R$ 15 milhões são referentes a combustível e R$ 35 milhões são de resultados de outros débitos diversos.

“A empresa entende que o mercado, com todas as dificuldades, é promissor, mas hoje existe problema exclusivamente de caixa que está sendo reavaliado. Por conta disso, não tivemos outra alternativa, a não ser utilizar esse remédio que o sistema jurídico coloca à disposição de empresas viáveis, para que a Passaredo possa estancar esse momento de pressão. Em seguida ela, pode retomar seu crescimento e honrar seus compromissos”, afirmou Aires.

Segundo ele, a partir do momento em que a Justiça acatar o pedido de recuperação judicial, a Passaredo tem prazo de 60 dias para apresentar um plano de reestruturação aos seus credores. Caso a Justiça acate o requerimento da empresa, a companhia também estará protegida durante 180 dias contra qualquer execução judicial.

A Passaredo conta com 400 trabalhadores diretos. Em agosto, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a empresa respondeu por 0,54% do fluxo de passageiros transportados no país. Em maio deste ano, anunciou, em Paris, a encomenda de 20 turboélices ATR 72-600, com capacidade para 70 passageiros, em um investimento de US$ 450 milhões.

“A Passaredo está revendo a velocidade desse investimento, porque hoje ela não pode manter o ritmo inicial. Continuamos com o projeto, com as aeronaves, num ritmo mais compatível com o do plano de recuperação”, afirmou Aires Vigo.

COMMENTS