Gabriel Chalita: transporte público é o foco

Entrevista com o candidato à Prefeitura de São Paulo nas eleições 2012. O Portal Transporta Brasil buscou as propostas e opiniões dos candidatos sobre o transporte e a logística na cidade, envolvendo temas como mobilidade urbana, caminhões, trânsito, transporte coletivo e regras para a circulação de pessoas e mercadorias pela maior cidade do Brasil

Impostômetro registra marca de R$ 1 trilhão
Scania promove caravana com ônibus para apresentar linha de motores dianteiros
Cinco estados receberão R$ 19 bilhões para obras de mobilidade urbana

O candidato a prefeito pelo PMDB apresentou propostas de ampliação da malha de transporte público da cidade e também demonstrou interesse em resolver questões como a falta de segurança para a circulação de pessoas e cargas na metrópole e a insegurança jurídica que existe para as empresas. Leia a íntegra da entrevista:

Portal Transporta Brasil: Em seu plano de governo como serão conduzidos os projetos relacionados às plataformas logísticas no entorno da cidade?

Gabriel Chalita: Projetos como esse, por envolver áreas no entorno da cidade, devem ser desenvolvidos em conjunto com o Governo do Estado e municípios vizinhos. Para melhorar a vida de quem mora em São Paulo, pretendo fazer parcerias com todos os níveis de governo e a iniciativa privada.

Portal Transporta Brasil: Qual é sua opinião sobre as restrições aos caminhões na cidade? Seu plano de governo contempla a manutenção destas medidas? Por que?

Gabriel Chalita: Em uma cidade do tamanho de São Paulo, o transporte de cargas é fundamental para garantir o abastecimento de todas as regiões. Por isso, nosso compromisso é manter um diálogo constante com os caminhoneiros para garantir que realizem seu trabalho da melhor forma. Quero estabelecer um canal de diálogo entre a Prefeitura, os caminhoneiros e outros trabalhadores, entidades e empresas para debater as restrições impostas. Também devem participar o governo estadual e representantes das administrações dos municípios vizinhos. As normas serão criadas com base em estudos técnicos, mas também por meio de consulta a todos os envolvidos. As decisões da Prefeitura não podem acontecer de cima para baixo, mas por meio do diálogo amplo, transparente e racional.

Portal Transporta Brasil: Um dos problemas da mobilidade urbana é o fato de as pessoas morarem longe do trabalho e não haver transporte público de qualidade. Quais são seus projetos para melhorar a mobilidade na cidade?

Gabriel Chalita: Nosso plano de governo contempla uma série de ações de transporte público, obras viárias, inteligência e tecnologia e educação de trânsito.  Como forma de descongestionar passagens desnecessárias pelo centro da cidade, serão construídas ligações circulares, entre bairros. Simultaneamente à criação do novo modelo viário, haverá um investimento em inteligência de trânsito, com a automatização de semáforos e o monitoramento do trânsito nas principais vias urbanas. Para isso é essencial reforçar a CET, com aumento do orçamento, informatização e atualização dos equipamentos, além da capacitação técnica de seus funcionários. Programas de educação para o trânsito também serão intensificados. Como parte significativa do trânsito de São Paulo está ligada aos municípios vizinhos, eles serão chamados a discutir as políticas de trânsito, transporte e mobilidade urbana. Para o transporte coletivo, estão previstas desde ações simples, como a otimização dos corredores de ônibus atuais e a reorganização das linhas de ônibus, a projetos como a criação do Expresso Zona Leste, que permitirá que o percurso entre bairros daquela região, como Itaquera, seja feito em 30 minutos. No total serão 25 linhas expressas, sem paradas em pontos no meio do caminho, servidas por 450 novos ônibus projetados para levar apenas passageiros sentados. Os 14 terminais do Expresso Zona Leste serão acoplados às estações do Metrô. O custo total do sistema é de R$ 249 milhões, e o tempo de execução, 30 meses. Para a Zona Sul, a proposta imediata é a implantação de faixa reversível nos horários de pico no trecho de Interlagos. Aliada à ampliação do uso da Marginal Pinheiros por ônibus e à criação de linhas expressas, com menos paradas, a Faixa Reversível Zona Sul vai permitir sensível melhora no transporte público da região.

Portal Transporta Brasil: São Paulo emplaca mais de 800 carros por dia, gerando grande concorrência pelo viário urbano. Como enfrentar este crescente problema?

Gabriel Chalita: Para fazer com que as pessoas deixem os carros em casa, é preciso melhorar o transporte público. Se uma pessoa que mora em Itaquera e trabalha no centro tiver a possibilidade de usar um expresso que demore 30 minutos para fazer o percurso que, de carro, ela faria em uma hora e meia, ela vai preferir o transporte público. Queremos investir em diversos modais – metrô, ônibus, BRT – para que as pessoas tenham alternativas melhores do que o carro para se deslocar pela cidade, como já acontece em outras grandes cidades do mundo. No nosso plano de governo, também trabalhamos com o conceito de novos centros regionais, com emprego, lazer, educação de qualidade e atendimento de saúde perto da casa das pessoas, reduzindo a necessidade de deslocamentos pela cidade.  Na área de transportes, a ação mais importante é a criação do Expresso Zona Leste, que pode servir de piloto para outras regiões da cidade. Mas o maior desafio como prefeito será diminuir a distância que existe entre a São Paulo rica e a São Paulo pobre. De um lado, temos uma cidade que cuida de suas crianças, que aprendem vários idiomas, têm esporte e lazer, estudam o dia todo. Do outro, temos uma cidade que abandona seus filhos, com quase 200 mil crianças sem creche. São invisíveis, sem acesso a água, esgoto, luz. Isso não pode acontecer na cidade mais rica da América Latina.

Portal Transporta Brasil: Qual é o seu plano majoritário para reduzir o Custo São Paulo, que inclui as demoras por congestionamentos, a falta de segurança, os caros insumos e o ambiente inóspito para o negócio de transportes?

Gabriel Chalita: Há três questões em São Paulo que assustam empreendedores e investidores: medo da violência, insegurança jurídica, com regras que mudam e falta de transparência e de prazos nos processos que envolvem a Prefeitura, e baixa qualidade da educação. A questão da segurança é de responsabilidade do Governo do Estado, mas a Prefeitura pode ajudar ao iluminar melhor as ruas e calçadas, aumentar o efetivo da Guarda Civil Metropolitana e instalar câmeras nas ruas e na parte externas dos ônibus. Para dar mais segurança jurídica a quem quiser investir na cidade, vamos criar o Poupatempo do Empreendedor e informatizar os serviços e processos da Prefeitura, para garantir que eles sejam mais rápidos e transparentes. Por fim, teremos um cuidado especial com a melhoria da qualidade da educação nas escolas públicas, trabalhando para zerar o déficit de vagas de creche e implantar o sistema de escolas em tempo integral.

Portal Transporta Brasil: Você acha que a inspeção veicular é uma ação benéfica para a cidade? Manterá esta exigência caso seja eleito? Por que?

Gabriel Chalita: A inspeção veicular é necessária por questões ambientais, mas há vários pontos que precisam ser revistos, como o valor da taxa e quais veículos precisam passar pela inspeção.
Portal Transporta Brasil: Você é favorável ao pedágio urbano? Por que?
Gabriel Chalita: Não tem sentido fazer pedágio urbano enquanto a cidade não oferecer um transporte público de qualidade para todos. Quando isso acontecer, muitos vão preferir deixar o carro em casa.

Portal Transporta Brasil: Como enfrentar o grande número de mortes de motociclistas na cidade?

Gabriel Chalita: É preciso investir em educação e fiscalização. Pretendemos intensificar os programas de educação para o trânsito para melhorar a relação de motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres.

VOLTAR PARA A MATÉRIA PRINCIPAL

COMMENTS