Setor de combustível e energia desperta interesse da DHL no Brasil

Setor de combustível e energia desperta interesse da DHL no Brasil

DHL estima que negócios de logísticas dedicados a este segmento cresçam, aproximadamente, 30% em 2012

Biodiesel: uma guerra pela quantidade da mistura
Consumo de combustível no Brasil cai mais de 2% em novembro
Logística ruim pode deixar algumas regiões sem gasolina no final do ano

O crescimento no setor de petróleo e gás tem impulsionado consideravelmente o cenário econômico mundial, além de ter aumentado a representatividade e os investimentos no Brasil.

Dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) indicam que nos últimos 10 anos, houve um crescimento de 350% da indústria brasileira de petróleo e gás. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) deve destinar R$ 10 bilhões em financiamento para o setor até o final de 2012.

A potencialidade do setor despertou o interesse da DHL, que por meio das unidades de negócios Express, Global Forwarding e Supply Chain, tem direcionado maior atenção à cadeia de combustíveis e energia.

“Queremos ampliar a participação nos contratos de logística internacional para equipamentos e máquinas de grande porte para instalação e construção dos estaleiros e, posteriormente, a movimentação de insumos, controle de inventário e armazém”, explica Thiago Aracema, diretor industrial de projetos Oil & Energy da DHL.

De acordo com o executivo, até o final de 2012, a DHL tem uma perspectiva de crescimento nos negócios relacionados a combustíveis e energia em torno de 30%.

Estudos desenvolvidos pela Word Energy (aliança com mais de 90 países, que fornece informações e recursos em todos os aspectos da energia) apontam que, embora a demanda tenha caído em 2009, a procura mundial por energia deve crescer 1,5% até 2030, um aumento global de 40%. Os anos chave de crescimento estão entre 2010 e 2015, com um incremento anual de 2,5%.

Segundo Aracema, atualmente, a logística é um dos desafios para o crescimento mais expressivo do setor. “Estamos falando de uma grande quantidade de operações acontecendo simultaneamente. E um dos fatores críticos é a capacidade técnica que ela exige desses operadores logísticos.”, finaliza.

COMMENTS