Governo propõe parceria público-privada para aeroportos de médio porte

Novo modelo de concessão permitirá a redução gradual do prejuízo registrado pela Infraero em terminais com movimentação de 400 mil a 1 milhão de passageiros ao ano

Conviasa assina contrato para mais sete jatos E190 da Embraer
Cresce demanda por transporte aéreo doméstico, mas cai índice de oferta
TAM Linhas Aéreas anuncia Claudia Sender como nova presidente

O Ministério da Casa Civil, em conjunto com o Ministério do Planejamento desenvolvem um novo modelo de concessão, para estimular a participação da iniciativa privada na exploração do setor aeroportuário em aeroportos com movimento de 400 mil a 1 milhão de passageiros ao ano.

O plano, que deverá ser apresentado até 15 de setembro, deve seguir o modelo de PPPs (Parcerias Público-Privadas), onde governo e iniciativa privada dividiriam os investimentos necessários para modernizar os aeroportos.

Pelo modelo em estudo, o governo seguirá bancando o déficit desses aeroportos. Porém, com a gestão privada, a expectativa é conseguir reduzir gradualmente o prejuízo.

A Infraero possui o controle de aproximadamente 15 aeroportos que recebem de 400 mil a 1 milhão de passageiros/ano. Entre eles, Londrina (PR), Uberlândia (MG), Petrolina (PE) e Palmas (TO). A maioria não dá lucro.

O governo estuda ainda a criação da Infrapar, empresa de participações da Infraero, para gerir os aeroportos em parceria com operadores estrangeiros de renome.

Esse modelo, no qual o governo permanece com pelo menos 51% das ações, está sendo estudado também para aeroportos maiores, como Confins (MG) e o Galeão (RJ).

COMMENTS