Projeto reduz Imposto de Renda do transportador autônomo de cargas

Projeto reduz Imposto de Renda do transportador autônomo de cargas

Percentual base para o calculo passa a ser 20% do rendimento bruto, equiparando-se ao aplicado na contribuição previdenciária

Frete poderá ser pago em dinheiro para transportador autônomo, segundo projeto
Autônomos poderão contar com isenção fiscal na compra de caminhões
ANTT já tem dez administradoras de cartão-frete

A Câmara dos Deputados iniciou a análise do Projeto de Lei 3072/11, que estipula em 20% o percentual para a base de cálculo do imposto de renda pessoa física sobre o rendimento bruto do transportador autônomo de cargas.

Esse percentual é o mesmo aplicado na legislação previdenciária, e a ideia do projeto  deputado Aguinaldo Ribeiro (PB) é estabelecer o equilíbrio entre as contribuições.

O deputado explica que a legislação previdenciária define como salário de contribuição do transportador autônomo de cargas o valor correspondente a 20% do rendimento bruto.

Porém, para apuração da base de cálculo do Imposto de Renda, as normas tributárias estabelecem como parâmetro o montante de 40%, aplicado sobre as mesmas receitas. Ou seja, a quantia considerada rendimento, para efeito do imposto, é equivalente ao dobro da considerada no cálculo da contribuição previdenciária.

Aguinaldo Ribeiro argumenta que não há razões para essa diferenciação. “Na tributação do trabalho assalariado, é comum que a base de cálculo do imposto seja menor do que a da contribuição, mas isso ocorre porque o valor da contribuição previdenciária não integra os rendimentos para apuração do imposto de renda.”

O deputado menciona estudos que demonstram que os valores médios do mercado de frete, deduzidos das despesas operacionais e da depreciação dos investimentos, ficam abaixo, até mesmo, dos montantes apurados para a incidência da contribuição previdenciária. “Assim, esta proposta apenas minimiza a tributação excessiva aplicada pela administração tributária a esses trabalhadores”, diz o parlamentar.

COMMENTS