Ressaca ou veisalgia: repercussão na direção veicular

Segundo o Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior, não é só durante ou logo após o uso da bebida alcoólica que não se deve dirigir. Neste artigo, ele mostra que ocorrerão sinais e sintomas tardios quando houver excessos que comprometerão a dirigibilidade

Porto de Santos (SP) registra movimentação recorde no 1º bimestre de 2013
Projeto obriga bares e restaurantes a divulgarem penalidades para quem dirige alcoolizado
Número de adultos que admitem beber e dirigir nas capitais do País cai e atinge 5,9%

Queremos enfatizar que após grande ingestão alcoólica, 6 a 8 horas após, o teor de álcool no sangue estará igual à zero, mas não devemos estar na direção veicular. O excesso ingerido produzirá alterações orgânicas que comprometerão as funções essenciais para a dirigibilidade. Alterações essas conhecidas popularmente como ressaca.

O excesso de bebida alcoólica ingerida num dia produz um quadro chamado veisalgia, popularmente conhecido como ressaca, que ocorre 6 a 8 horas após a ingestão, período em que a concentração de álcool no sangue cai à zero, podendo durar de 24 a 26 horas. O etilômetro (bafômetro) jamais identificaria essa condição avessa à direção veicular.

O álcool é depressor do sistema nervoso central, altera neurotransmissores inibindo-os. Atua produzindo sedação, em consequência reduz mobilidade, memória, julgamento e respiração.

A ressaca é caracterizada por efeitos físicos e mentais adversos, com uma série de sintomas de desconforto, mal-estar.
Nesse período, com percentual de álcool no sangue igual a zero, os sintomas comuns encontrados são:

  • dor de cabeça
  • náuseas
  • falta de concentração
  • boca seca
  • tontura
  • desconforto gastrointestinal
  • cansaço
  • tremores
  • falta de apetite
  • suores
  • sonolência
  • ansiedade
  • irritabilidade

Tudo dependerá da quantidade e do teor alcoólico do que foi ingerido. A ressaca é um fenômeno prevalente pouco estudado. Interessante que aparece após total eliminação do álcool e seus metabólitos do sangue. Atribui-se que tanto a ressaca como a desidratação causada pelo álcool sejam dois processos distintos, independentes que ocorrem simultaneamente por meio de diferentes mecanismos.

Durante a ressaca ocorrem variações significativas do sistema hormonal como também acidose metabólica. Existem múltiplas teorias para explicar o fenômeno ressaca. Alguns estudos acrescenta à sintomatologia, maior sensibilidade à luz, ao ruído e letargia (perda temporária e completa da sensibilidade e do movimento).

A queda do teor de álcool no sangue, que ocorre 6 a 8 horas após a ingestão, leva a uma espécie de depressão, desorganizando todo o metabolismo. Ocorre falta de água no organismo.

A ressaca está presente em nossa sociedade, sendo assim, é capaz de produzir gravíssimas consequências sociais e sanitárias. É importante lembrar que a atenção, concentração, vigília, raciocínio estão rebaixados nessa fase. Mas não é só isso, as respostas motoras também estão comprometidas. A sensibilidade tátil, auditiva e visual está alterada. Tudo isso são necessidades para se dirigir um veículo. Assumir a direção é colocar em risco a própria vida e de terceiros.

A cadeira de fisiologia e biofísica da Faculdade de Medicina da Universidade de Buenos Aires vem estudando o assunto.  Afirma que os efeitos do excesso de bebida alcoólica causam, 6 a 8 horas após a ingestão, já com a alcoolemia zero, o fenômeno veisalgia (ressaca). Esse quadro persiste até 24 a 26 horas após ingestão.

Conclusão

Não tenho dúvida que a chamada ressaca, fenômeno que ocorre horas após a grande ingestão alcoólica, compromete todo o organismo, principalmente o sistema nervoso central. Repercute nas funções essenciais para direção veicular, quais seja, a cognitiva, motora e sensório perceptiva. A direção veicular nessas condições é extremamente perigosa e os sintomas persistem até 26 horas após.

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior, médico, diretor da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego – www.abramet.org.br)
drdirceu@transportabrasil.com.br

Visite o perfil do articulista

É proibida a reprodução do conteúdo deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Transporta Brasil. As opiniões emitidas nos artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Portal Transporta Brasil.

COMMENTS