Governo rejeita proposta para isenção tributária nos combustíveis

Desoneração foi proposta com o objetivo de reduzir os custos no transporte público e otimizar o uso da renda da população. Rejeição ocorreu pela discordância entre os deputados sobre a necessidade de uma melhor utilização dos valores arrecadados

Deputado quer proibir venda de peças usadas em desmanches
Comissão aprova fiança em caso de multa de trânsito para veículo licenciado no exterior
Câmara vai debater cobertura de telefonia celular nas rodovias federais

A Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados rejeitou o projeto de lei que isenta produtores, distribuidores e importadores de combustíveis do pagamento da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), do PIS/Pasep e da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide-combustíveis).

A proposta do deputado Felipe Bornier (PSD-RJ), revoga artigos de seis leis, que tratam de alíquotas ou base de cálculo dos tributos que incidem sobre a cadeia de combustíveis. O texto obriga o governo a estimar e compensar, no Orçamento, a renúncia fiscal prevista pelas desonerações.

O principal argumento do deputado Felipe Bornier (PSD-RJ), autor da proposta, foi o de que o Brasil é autossuficiente em petróleo e deveria oferecer combustíveis a custo mais baixo para o consumidor. Na visão do autor, a desoneração levaria à redução da inflação e do custo dos transportes públicos, o que, consequentemente, melhoraria a renda da população.

O relator, deputado Luiz Argôlo (PP-BA), no entanto, discordou desse raciocínio. Para ele, o fato de haver países que subsidiam os preços de combustíveis ao consumidor doméstico não indica que se consiga maior prosperidade aos cidadãos. “Há países que são autossuficientes em petróleo e subsidiam fortemente os preços como Venezuela, Líbia, Angola, Catar, Argélia e Emirados Árabes Unidos, porém não têm o grau de desenvolvimento de nações dependentes da importação do produto, como Estados Unidos, Japão e grande parte dos integrantes da União Europeia”, exemplificou.

Argôlo ressaltou ainda que não é possível estabelecer “qualquer conclusão óbvia” ao relacionar os preços dos combustíveis e o fato de o país ser ou não autossuficiente na produção de petróleo. Novamente, ele citou o exemplo dos Estados Unidos (maior importador mundial do produto), que cobram valores mais baixos nos combustíveis do que grandes exportadores de petróleo, como a Rússia e a Noruega.

O relator concluiu que o maior entrave à melhoria da qualidade de vida dos brasileiros não está no preço dos combustíveis, mas, sim, na destinação que se dá aos tributos cobrados sobre tais produtos. “Os tributos devem ser usados para finalidades nobres, como o financiamento de programas de seguridade social, a melhoria da infraestrutura viária e dos transportes públicos, a redução das emissões de poluentes”, disse.

COMMENTS