Superporto do Açu entra em operação no segundo semestre de 2013

LLX, braço logístico do grupo EBX, do empresário Eike Batista, vai operar o que considera ser o terceiro maior porto do mundo em termos de profundidade e capacidade de recebimento de grandes embarcações. Estrutura, no litoral norte fluminense, vai contar com profundidade inicial de 21 metros

OSX dá calote em construtora espanhola e corre risco de falência
LLX vai instalar base logística no superporto do Açu (RJ)
Superporto do Açu recebe licença para instalação de unidade logística de óleo e gás

Um dos superportos que Eike está construindo: serão duas megaestruturas portuárias, Açu, na foto, e Sudeste, no litoral fluminense

A LLX, empresa logística do Grupo EBX, do empresário Eike Batista, espera iniciar as operações de sua megaestrutura portuária a partir do segundo semestre do ano que vem. O Superporto do Açu, considerado pela empresa o terceiro maior porto do mundo em termos de profundidade e capacidade para o recebimento de grandes embarcações, fica localizado na cidade de São João da Barra, no litoral norte do Rio de Janeiro, e está em fase de construção. De acordo com a LLX, a megaestrutura portuária demandou investimentos de R$ 3,8 bilhões, e terá 17 quilômetros e píer com até 40 berços de atracação para os navios.

A ligação para o porto terá vias rodoviárias e também um braço ferroviário, operado por meio da parceria com a FCA. O porto vai operar, inicialmente, com dois conjuntos de terminais: o TX1, terminal offshore com uma ponte de acesso de 3 quilômetros e extensão, píer de rebocadores, píer de minério de ferro, canal de acesso e bacia de evolução; e o TX2, com 13 quilômetros de cais e 30 berços de atracação.

A profundidade inicial do porto, o calado, será de 21 metros, com expansão posterior para 26 metros. A capacidade operacional será de movimentação de 320 milhões de toneladas de cargas por ano, basicamente minério, granéis líquidos e sólidos e produtos siderúrgicos.

A LLX conta que o porto não será de seu uso exclusivo e já adianta que está em negociação com diversas empresas que poderão ser usuárias do complexo, principalmente companhias do segmento siderúrgico.

COMMENTS