Produção de caminhões no primeiro trimestre de 2012 cai 32,5%

Produção de caminhões no primeiro trimestre de 2012 cai 32,5%

Desaceleração foi necessária para diminuir estoques e fomentar as vendas dos modelos Euro 5. Montadoras querem reduzir os juros de financiamentos para que preços dos caminhões novos fiquem equivalentes aos dos Euro 3 no final do financiamento

Agrale começa ano com novo centro de treinamento
Utilitário Agrale ganha espaço no mercado de segurança pública
Agrale inicia produção de caminhões em nova fábrica no Espírito Santo

O desempenho da produção das montadoras de caminhões, que começou o ano com quedas de 75% em janeiro e que melhorou em fevereiro com queda de 28,8%, voltou a piorar com os dados do mês de março. De acordo com os dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), saíram 32,5% menos veículos das linhas de montagem nos primeiros três meses de 2012 quando comparados com 2011.

As nove companhias que mantêm produção em território nacional fecharam o primeiro trimestre com 31.316 unidades fabricadas, ante 46.397 do ano passado. A explicação vem de um segundo ciclo de férias coletivas que as empresas deram a seus funcionários no mês passado. Entre essas empresas, Mercedes-Benz e Ford.

Mesmo com a redução verificada na produção as vendas estão melhores, sintoma de que as companhias estão em um processo de desestocagem das redes de concessionárias. No consolidado do primeiro trimestre do ano, o licenciamento de caminhões foi menor do que no mesmo período do ano passado, porém, enquanto a produção recuou 32,5% as vendas caíram apenas 6,3%. De acordo com fonte do mercado ouvida pelo Portal Transporta Brasil o nivel de estoques estava 20% mais elevado na virada de 2011 para 2012, isso para abastecer o mercado com o Euro 3, cerca de 15% mais barato que o Euro 5, que passou a ser fabricado no País. Porém, a expectativa era de que as vendas de caminhões com a nova tecnologia começassem a deslanchar.

“Nos três primeiros meses as vendas de Euro 5 de todo o mercado não passaram de 1 mil unidades. Isso porque havia dúvidas sobre a real disponibilidade do combustível e, logicamente, o preço mais elevado do caminhão, mas ao passo que os estoques recuam e a desconfiança sobre o abastecimento são minimizadas, as vendas deverão começar a se elevar em abril”, disse um executivo que é diretor de vendas de uma grande montadora.

Desconsiderando as exportações, todos os segmentos de caminhões tiveram queda significativa. A produção de semileves recuou 58,9%, a de leves 48,4% e a de médios em 55,1%. O segmento de pesados e semipesados tiveram recuos mais suaves, 26,8% e 18,4%, respectivamente, o que aliviou o indicador médio de produção no Brasil. Já as vendas caíram 7,3% em semileves, 5,6% para a categoria dos leves, subiram no segmento de médios em 3,6%, queda de 7,7% para os semipesados e de 6,6% na categoria pesados.

Apesar dessa queda, a perspectiva das montadoras pode ser revertida em breve. De acordo com o presidente da MAN, Roberto Cortes, as empresas vêm negociando com o governo um acordo para oferecer melhores condições de financiamento de caminhões Euro 5 para que no final possam custar o mesmo que os Euro 3 do ano passado, quando o setor vivenciou recordes de vendas consecutivos.

“Conversamos com o governo há seis ou sete meses, quando foi anunciado que o setor automotivo teria um regime especial”, disse Cortes. “Agora, espero que como medidas a incentivo a vendas, ocorra a quedade juros para que possamos chegar ao nível do ano passado. Se não houver esse recuo, acredito que 2012 será um ano de queda de 10% a 15% nas vendas”, disse ele.

No total, foram comercializados no mercado interno de janeiro a março pelas montadoras associadas à Anfavea 36.905 unidades contra 39.390 no ano passado. Como a entidade não divulga a produção, mas apenas as vendas de cada empresa, não é possível saber realmente quais companhias contribuíram para a queda de produção. Mas em termos de vendas a MAN continua na liderança com 11.232 unidades no trimestre. A Mercedes-Benz segue na vice-liderança com 9.920, bem mais atrás está a Ford com 6.278 veiculos, a Volvo com 3.702 unidades, a Iveco está em quinto lugar e já segue de perto a quarta colocada com 3.106 veículos. A Scania segue em sexto lugar com 2.367 caminhões novos nas ruas.

Ônibus e automóveis

Na categoria transporte de passageiros (incluindo chassis), as vendas seguem em alta. No acumulado do primeiro trimestre subiram 6% com 8.449 unidades contra 7.974 no mesmo período do ano passado.

No mercado de automóveis e de comerciais leves a tendência de queda nas vendas começa a ser revertido. No consolidado do primeiro trimestre foram licenciados 736.879 unidades contra as 741.054 do mesmo período do ano passado, leve recuo de 0,5%. Apesar disso, a produção brasileira das empresas associadas à entidade ainda está no vermelho, somou de janeiro a março deste ano 738.106 unidades, queda de 10,9% em 2012 ante o ano passado.

Dentre as quatro mais tradicionais empresas mantiveram a posição de mercado no trimestre com a Fiat em primeiro e vendas de 173.529 unidades. A subsidiária brasileira da Volkswagen vem logo em seguida com 160.830 carros comercializados,a norte-americana GM com 136.771 veículos e em quarto a Ford, 72.619 unidades novas colocadas no mercado.

COMMENTS