Vendas de caminhões continuam em queda e montadoras dão férias coletivas

Vendas de caminhões continuam em queda e montadoras dão férias coletivas

Três entre as seis maiores fabricantes do Brasil concederão dias de folga para adequar à nova realidade de mercado, muito menor do que em 2011

Dois jovens caminhoneiros de Londrina (PR) são os novos finalistas da competição ‘Melhor Motorista de Caminhão do Brasil’
Efeito Euro 5 derruba receita da Randon no primeiro trimestre
Venda de veículos sobe 5,58% em junho, segundo Fenabrave

Os dados de emplacamentos e de produção da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) referentes a março ainda nem foram divulgados, mas já é possível perceber que algo não anda bem no mercado. Três montadoras entre as seis maiores concederão férias coletivas pela segunda vez em três meses de 2012.

O motivo para tamanha pressão sobre a performance dessas companhias pode ser encontrado nos números dos emplacamentos da primeira quinzena em termos de dias úteis deste mês, levantados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), que registram queda comparados a março do ano passado e mesmo em relação a fevereiro deste ano, de 12,07% e de 1,07%, respectivamente.

As três montadoras que fizeram o anúncio de parada são Scania, Ford e Mercedes-Benz, segundo o sindicato da categoria. A meta é de reduzir os estoques por meio da redução do ritmo de produção em função da queda nas vendas desde o início da vigência da norma Proconve 7 de redução de emissões de gases poluentes que aumentou, em média, os preços entre 10% e 20%, dependendo do modelo e da marca.

Todas as empresas já esperavam pela retração nas vendas por conta do desempenho recorde de 2011, quando tanto produção quanto comercialização alcançaram o maior volume histórico do setor. A Scania negocia com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC sobre a necessidade da paralisação. De acordo com informações divulgadas no jornal Valor Econômico, ainda não há definição de quando ocorrerá a parada, mas deverão ser pelo menos 10 dias de inatividade, sendo quatro até maio. Por sua vez, a Ford está trabalhando com o banco de horas e os empregados da linha de produção comparecem ao trabalho três dias apenas. A montadora nega a informação do sindicato e diz que a produção está adequada ao ritmo do mercado.

De acordo com os dados da Fenabrave, com a queda de 1,07%, foram emplacadas na primeira metade de março 6.402 unidades. Já no acumulado de 2012 o número é de 30,3 mil caminhões. Nesse mesmo período do ano passado as montadoras contabilizavam crescimento de 6,4% na primeira metade de março ante o mês anterior e o aumento de 26,3% na comparação entre os 15 primeiros dias desse mesmo mês de 2010. No acumulado dos primeiros dois meses e meio de 2011 o volume emplacado alcançou 32.233. Portanto, 2012 apresenta queda no total de emplacamentos da ordem de 6%.

Esse desempenho já poderia ser previsto quando a Anfavea divulgou os números de fevereiro. Apesar das montadoras terem elevado a fabricação de caminhões em quase 250% passando de 3.438 unidades em janeiro para 11.974 veículos no mês passado, os números em comparação a 2011 estavam muito aquém do performado. A queda na produção do primeiro bimestre de 2011 foi de 50,3%, fato que pode sinalizar um recuo do desempenho das montadoras ante 2011. Quanto a vendas, a retração é de 4,1% no primeiro bimestre do ano.

COMMENTS