Multas na Marginal Tietê (SP) começaram nesta segunda

Multas na Marginal Tietê (SP) começaram nesta segunda

A partir de agora, caminhões estão proibidos na via. Revoltados com as restrições, caminhoneiros que fazem o transporte de combustíveis estão paralisados e comprometem o abastecimento da cidade

Serviço de contrato de manutenção Volkstotal completa 10 anos
Mercedes-Benz anuncia crescimento de 73% nas vendas de caminhões pesados
São Paulo libera VUCs das restrições

Caminhões não podem circular das 5h às 9h e das 17h às 22h, de segunda a sexta

As restrições para os caminhões na Marginal Tietê, uma das mais importantes vias de São Paulo, e em diversas outras ruas e avenidas adjacentes, já estão vigorando pra valer na maior cidade do Brasil. Os caminhões não podem circular, de segunda a sexta, das 5h às 9h e das 17h às 22h, e, aos sábados, das 10h às 16h.

A Prefeitura de São Paulo acredita que a medida vai diminuir os congestionamentos na cidade, com menos quebras de veículos durante os horários de pico e menor fluxo de caminhões. Atualmente, circulam, na Marginal Tietê, 350 mil veículos por dia. Destes, 75 mil são caminhões.

O setor de transportes reagiu e demonstrou sua insatisfação em relação às medidas da administração de Gilberto Kassab. O SETCESP, Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região, realizou um encontro com a imprensa para reiterar sua posição contrária às restrições e relatou seu trabalho para minimizar os impactos das proibições para as empresas. “Somos contrários a qualquer tipo de restrição ao caminhão. Em cidades com Londres, na Inglaterra, e Nova York, nos Estados Unidos, carretas de 30 pallets são liberadas para circular 24 horas por dia, e o trânsito nestas cidades é complicado também. Somente em São Paulo os caminhões pagam a conta dos congestionamentos. Precisamos lembrar que emplacar mais de mil carros por dia, como ocorre em São Paulo, e encher as ruas de veículos de passeio é que são os verdadeiros motivos do trânsito caótico. O setor de transportes tem o dever de abastecer a cidade e isso não pode ser impedido por uma medida dessas”, comenta o presidente da entidade, Francisco Pelucio.

O dirigente lembrou que a Marginal Tietê é um corredor logístico importante para o tráfego de passagem dos veículos que vêm de outros Estados para acessar rodovias que cortam São Paulo. “Sem o Rodoanel completo, não temos alternativa para circular e acessar as rodovias. O nosso diálogo com a Prefeitura ainda está aberto e vamos continuar com as negociações”, conta Francisco.

Os caminhoneiros autônomos que realizam o transporte de combustíveis em São Paulo, revoltados com as restrições, decidiram fazer uma greve com o objetivo de desabastecer a Região Metropoliana. O movimento tem adesão de 100% da categoria, de acordo com o Sindicam SP, entidade que representa os caminhoneiros. Outras ameaças de paralisação apareceram durante o dia, mas não se concretizaram.

Diferentemente da expectativa do setor, a Prefeitura de São Paulo não oficializou a liberação do VUC (Veículo Urbano de Carga, com até 6,3 metros de comprimento), conforme anunciado neste portal, com base em informações das negociações dos transportadores com a administração pública.

Matéria atualizada em 06/03/2012, às 23h30.

COMMENTS