Cuiabá (MT) vai proibir caminhões na área central durante o dia

Medida já está em vigor, mas aguarda a estruturação da Secretaria de Transportes e da sinalização urbana para entrar em funcionamento efetivo

Contran publica resolução que regulamenta amarração de cargas
Cargolift vence concorrência para atender Nissan e Renault
PepsiCo renova frota com caminhões Scania

A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes Urbanos de Cuiabá (SMTU) deve colocar em prática ainda este ano a Lei n° 5.463, de setembro de 2011, que restringe a circulação de veículos de carga e operação de carga e descarga no centro da cidade. Trata-se de uma reformulação da Lei n° 205, revogada em 2010, que proíbe este tipo de veículo de andar na área central em determinados horário.

Segundo a gerente de transportes do órgão, Lucélia de Lucena Serar, a nova medida já entrou em vigor a partir da data de sua publicação, contudo ainda não foi posta em prática por conta da falta de sinalização e estrutura da secretaria. “Na realidade a nova lei já está em vigor, mas não foi colocada em prática, pois ainda falta sinalização nas ruas e avenidas de Cuiabá, e também estrutura na secretaria para atender a demanda”, disse.

Lucélia ressalta que foi preciso redesenhar a área central do município, à qual foi dado o nome de Zonal de Área Central (ZAC). A ZAC se estende desde a Avenida Isaac Povoas até o bairro do Porto. Nesta região ficará proibida a circulação de caminhões com carga acima de 24 toneladas das 6h às 20h. Durante a noite e a madrugada eles poderão circular normalmente.

Além disso, dentro da ZAC foi criada a Zona de Restrição Máxima, que compreende as Avenidas Manoel José de Arruda, Oito de Abril, Marechal Deodoro, Filinto Müller, Presidente Marques, Mato Grosso, Tenente Coronel Duarte, Professor João Gomes Sobrinho, Eugênio Gonçalvez Pinheiro, Fernando Correa, General Vale e Manoel de Arruda, bem como as ruas Comandante Costa, Ten-cel. Thogo da Silva Pereira, João Bento, Américo Salgado, Antônio Batista Belém e São Cristovão.

Nesta região, que inclui o conjunto arquitetônico, urbanístico e paisagístico da Capital, fica proibida a circulação de veículos de carga e descarga com peso bruto superior a 10 toneladas durante todo o dia, e os demais devem seguir a mesma regra da ZAC. O intuito é preservar o patrimônio histórico do município.

No entanto, como para toda regra há exceções, os veículos que oferecem serviços de utilidade pública serão respaldados por uma resolução do Contran, e não terão restrição de área nem de horário. “Serviços de utilidade pública como caminhões de combustível, carros fortes e transporte de alimentos e produtos perigosos poderão circular normalmente, desde que estejam dentro das normas estabelecidas”, diz Lucélia.

Nas demais localidades, nos três corredores (Avenidas Fernando Correra, Miguel Sutil e Beira Rio), bem como nos bairros, não há restrição de horário para veículos com até 24 toneladas.

A gerente de trânsito afirma que os trabalhados de sinalização e estruturação da SMTU devem ter início nos próximos meses. Segundo ela, a Prefeitura, em parceria com um grupo de empresários, gastará em torno de R$ 300 mil com a sinalização. E a reestruturação a que ela se refere é a digitalização do sistema da secretaria, bem como a contratação de mais 200 agentes de trânsito.

COMMENTS