Vencedor do leilão de Viracopos não prevê investimentos em curto prazo

Vencedor do leilão de Viracopos não prevê investimentos em curto prazo

Presidente do Grupo formado por Triunfo, UTC Participações e francesa Egis Airport calcula que terceira e quarta pistas serão construídas até 2036 e 2042, respectivamente

Aeroporto de Cuiabá (MT) inicia obras de recapeamento da pista
Embraer firma contrato para manutenção de motores Rolls-Royce no Brasil
Demanda por transporte aéreo doméstico cresceu 4,19% em outubro

A Triunfo Participações, vencedora do leilão do Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP), afirmou na quarta-feira (8), que, caso o terminal não apresente forte aumento de demanda, não fará as aplicações previstas no planejamento inicial, como a construção das terceira e quarta pistas. “A obrigação da construção da terceira pista é ao atingir 351 mil pousos e decolagens por ano. Se não atingir isso, não precisa fazer”, declarou Carlo Botarelli, presidente da companhia. A quarta pista de pousos e decolagens será necessária quando o terminal chegar a 450 mil movimentos anuais.

“Investimento só acontece se tiver demanda. Se não tiver demanda, não tem capex [previsão de recursos para investimentos], não tem captação”, afirmou. “Não faremos o investimento necessário a dar conforto àqueles que não estarão no aeroporto. Aí, esse vai ser aquele espaço enorme com ninguém circulando. Então não é necessário fazer investimento para um público que não existe”, exemplificou o executivo.

Formado por Triunfo, UTC Participações e a francesa Egis Airport, o grupo já estima um investimento menor do que o previsto pelo Governo no aeroporto durante os 30 anos de concessão. O valor total inicial era calculado em R$ 11,5 bilhões. De acordo com os cálculos da vencedora do leilão, serão precisos apenas R$ 7,8 bilhões em aportes durante todo o período de administração (30 anos).

Para chegar a um valor tão abaixo do proposto pelo Governo, o consórcio precisou fazer alguns reajustes. “Basicamente, otimização de projeto e reorganização de espaço”, comentou Botarelli. “Nós desenvolvemos um projeto básico adequado às necessidades e requisitos da Infraero, de acordo com os padrões requisitados pela ANAC no edital. Depois, colocamos sob a ótica de operadores internacionais e chegamos a esses valores”, explicou. “Tem que levar em conta também que temos um trafego de passageiro inferior ao previsto, e isso também tem um impacto.”

Movimentação

Em 2011, o Aeroporto de Viracopos registrou fluxo de 7,7 milhões de passageiros. Com os investimentos, a concessionária prevê aumento de mais de 10 vezes no número de pessoas que usarão o terminal. Os cálculos, que eram de 90 milhões de passageiros anuais no fim do período de concessão feitos pelo Governo, se resumem a 84 milhões – seis milhões a menos.

Apesar de afirmar que, caso não haja demanda o consórcio não fará a construção das demais pistas, o presidente mostra confiança no crescimento do terminal aeroportuário e já faz cálculos de quando provavelmente serão construídas as demais pista. “Entre 2032 e 2036, Viracopos deve atingir os 351 mil pousos e decolagens. Provavelmente atingiremos os 450 mil nos últimos anos de concessão”, finalizou. A administração do terminal fica por conta do grupo até 2042.

COMMENTS