Fabricação de caminhões despenca 75% em janeiro, mas vendas crescem 6%

Fabricação de caminhões despenca 75% em janeiro, mas vendas crescem 6%

Performance decepcionante veio na esteira do início da produção de veículos Euro 5. Vendas de carros novos crescem e GM surpreende ao subir do terceiro para o primeiro lugar no primeiro mês do ano

Agrale lança programa de qualificação de seus fornecedores
Agrale começa a montar chassis de ônibus em São Mateus (ES)
Agrale espera crescer 10%, mesmo com retração do mercado

Linha de produção de caminhões da Scania, em São Bernardo do Campo (SP) - Foto: Scania do Brasil

As montadoras de caminhões no Brasil parecem estar pessimistas com as vendas este ano diante da incrível queda de produção de 75,8%, em comparação com o primeiro mês do ano passado. É como se dos 30 dias do mês, as fábricas que operam no Brasil trabalhassem apenas 10 dias. Os dados são da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que informou na segunda-feira que saíram das linhas de produção local somente 3.438 caminhões, contra 14.227 unidades em janeiro de 2011.

Os mais fabricados no início deste ano foram os pesados e semipesados, com 1.481 e 1.022 veículos, respectivamente, quedas de 63,7% e de 78,6%. Apesar desses números, são os que menos recuaram em janeiro, uma vez que os leves e semileves apresentaram queda de 83,6% e 79,5% para caminhões do segmento médios.

Com esse desempenho, associado ao aumento dos licenciamentos na casa de 6,3%, as montadoras reduziram drasticamente o volume de caminhões motorizados com a versão que atende à norma Euro 3, que ainda estavam no mercado, uma vez que a nova norma  Euro 5 já está em vigor e apresenta preços entre 15% e 20% mais altos em decorrência da nova tecnologia obrigatória e em vigor desde janeiro.

De acordo com a entidade, que cita os dados dos emplacamentos pelo Renavam, foram vendidos 13.017 caminhões no Brasil. Com isso, a redução dos estoques – somando as exportações de 1.404 veículos – ficou em quase 11 mil caminhões a menos nos pátios das montadoras.

Mesmo com essa performance sofrível das companhias, as líderes de mercado se mantiveram nas mesmas posições. A MAN (que fabrica e comercializa a marca própria e da Volkswagen) ficou à frente com a venda de 3.553 veículos, a segunda colocada é a Mercedes-Benz, que comercializou 3.249 unidades, em terceiro aparece a Ford com 2.138 caminhões, em quarto a Volvo com 1.549, a Iveco continua em quinto lugar com 1.169 veículos e a Scania continua em sexto com a venda de 1.116 unidades. O restante das vendas ficou dividido entre as marcas Agrale, Hyundai e International.

Ônibus e automóveis

Na categoria para transporte de passageiros (incluindo chassis), as vendas de janeiro seguem o mesmo caminho, alta de 4,6% em comparação a janeiro de 2011, com 2.597 unidades, ante uma produção decepcionante de 62,9% com a fabricação de pouco mais de ínfimos 1 mil ônibus.

Essa combinação entre queda de produção e aumento das vendas no mês de janeiro também ocorreu com o setor de automóveis. A soma das vendas entre veículos leves e comerciais leves, ficou em 268,3 mil unidades, aumento de 9,6% quando se compara os resultados de janeiro do ano passado. Por sua vez, a produção das montadoras brasileiras ficou 11,4% menor que o registrado nos primeiro s 31 dias de 2012.

Segundo o presidente da Anfavea, Cledorvino Belini, esse desempenho está relacionado ao ajuste de estoques do setor. Porém, o estoque global, que inclui indústria e concessionárias, aumentou para 36 dias em janeiro deste ano, com 319,9 mil unidades. Em janeiro do ano passado, o estoque global era de 33 dias, com 269,8 mil unidades. O estoque também aumentou em relação ao mês de dezembro. Na indústria, o estoque, que era de oito dias em dezembro, subiu para nove dias em janeiro. Já nas concessionárias, o estoque aumentou para 27 dias em janeiro. Belini classificou esse aumento como “normal” e que esse aumento não preocupa. “Nossos estoques estão preparados para as vendas de fevereiro, que tradicionalmente crescem comparativamente a janeiro”, afirmou Belini.

Dentre as quatro mais tradicionais empresas que atuam no Brasil a GM surpreendeu e do terceiro lugar de 2011, iniciou 2012 na liderança de mercado com a venda de 52.850 veículos. A Fiat que figurou como a marca mais vendida do ano passado caiu para segundo lugar com 51.901 unidades. Em terceiro a alemã Volkswagen com 51.416 carros comercializados. Em quarto a Ford, 22.203 unidades novas colocadas no mercado.

Os números da Anfavea foram confirmados pela Fenabrave, associação das revendedoras de veículos. Segundo nota da entidade, as vendas no Brasil (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motos, implementos rodoviários, máquinas agrícolas e outros meios de transporte, como carretinhas para jet sky), apresentou crescimento de 8,85% . Foram emplacadas 424.746 unidades este ano contra 390.224 veículos em janeiro de 2011. Com este resultado, comemorou a Fenabrave, o mês de janeiro de 2012 foi o melhor resultado da história no setor automotivo brasileiro, seguido de janeiro de 2011 e janeiro de 2008.

COMMENTS