Álcool e direção: binômio avesso à vida

Álcool e direção constituem um binômio que não se coaduna. A utilização dele tem sido causa de milhares de acidentes entre nós. A bebida alcoólica é o segundo fator de risco que tem aumentado de maneira geométrica a nossa sinistralidade. Confira esse assunto vital em mais um artigo do Dr. Dirceu Rodrigues Alves Jr.

Férias sim, acidentes não! Vá e volte!
Software Como Serviço II
Falta de eficiência compromete aquisições no mercado logístico brasileiro

O álcool é um depressor do sistema nervoso central, por isso atua diretamente nas três funções essenciais para se conduzir um veículo: a função cognitiva, a motora e a sensório-perceptiva.

A função cognitiva envolve atenção, concentração, raciocínio, vigília e outros. Enquanto a função motora é responsável por conduzir e executar as respostas determinadas pelo cérebro que ao receber os estímulos visuais e auditivos processa-os e responde através de movimentos do corpo. A função sensório-perceptiva está ligada a sensibilidade tátil, visão e audição. A perfeita integração dessas funções permite ao ser humano assumir a direção veicular. Mas, quando uma delas está comprometida, embotada, presente, mas com desníveis, a rede composta pela integração das três funções estará comprometida. Em consequência a probabilidade de se ter um acidente aumenta em quatro vezes em relação ao motorista sóbrio.

O álcool atua sobre essas funções levando a desatenção, desconcentração, raciocínio e respostas lentas, caindo o nível de vigília e respostas motoras retardadas. A visão periférica fica diminuída, passa a ter uma visão tubular, borrada, com visão dupla. Ocorre uma desorientação espacial, não conseguindo medir distâncias. A audição e sensibilidade tátil ficam prejudicadas.
O nível alcoólico necessário para alterar essas funções varia de pessoa a pessoa. Dependem de múltiplos fatores como idade, sexo, massa corporal, altura, hábito, alimentação, metabolismo e outros. Torna-se extremamente difícil estipular doses de álcool padrão já que como descrevemos a ação é multifatorial.

É interessante frisar que a bebida alcoólica dá ao indivíduo permanentemente a idéia de que está bem, não apresenta queixas, não vê contra indicações para nada, inclusive para dirigir um veículo. Sempre afirmará que o álcool ingerido não vai alterar em nada o seu desempenho. Mas que nada, altera e altera muito. Ele cita isso porque a capacidade de julgamento também está prejudicada.
Ao assumir a direção do veículo quando se está alcoolizado, a tendência natural é fazer uso de velocidades a cima do que normalmente se utiliza. Surge aí o somatório para que o sinistro aconteça e que a energia do acidente seja capaz de produzir lesões muito mais graves. Lembro que o primeiro fator desencadeante do sinistro é a velocidade.

A ingestão de álcool faz com que o indivíduo se apresente como um desorientado, dizendo coisas desconexas, voz pastosa, olhos congestionados, lentidão de movimentos, o equilíbrio está bastante comprometido, no caminhar demonstra insegurança, torna-se agressivo, impetuoso, desrespeita a todos, sente-se com plena liberdade para cometer absurdos. Nesse estado, ultrapassa seus limites, perdendo a inibição e pudor, achando-se engraçado, auto-suficiente e enfrentando qualquer situação e com grande prejuízo do julgamento.

O álcool desencadeia duas fases interessantes, uma que estimula e outra que deprime. Na fase de estímulo ocorre euforia, desinibição enquanto na segunda fase produz descontrole, alterações motoras, torpor podendo ocorrer sonolência. Inicialmente inibe nossos sentimentos e emoções nos levando a desinibição, excitação e euforia. Sentimo-nos mais libertos. Somos capazes de tudo. Não conseguimos julgar o que estamos fazendo. A desorientação é total.

Concluímos que a bebida alcoólica nos transforma, e sobre efeito dela, apresentamos distúrbios comportamentais importantes, nos transformamos, nos tornamos irresponsáveis, perdemos o comando, a personalidade, o caráter e com alterações berrantes do sistema nervoso central que nos leva aos acidentes com consequências gravíssimas para nós e para terceiros.
Beber e dirigir constitui o binômio que nos leva a lesões graves e a morte.

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior, médico, diretor da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego – www.abramet.org.br)
drdirceu@transportabrasil.com.br

Visite o perfil do articulista

É proibida a reprodução do conteúdo deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Transporta Brasil. As opiniões emitidas nos artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Portal Transporta Brasil.

COMMENTS