Technip instalará unidade de produção de tubos flexíveis no Superporto do Açu (RJ)

Technip instalará unidade de produção de tubos flexíveis no Superporto do Açu (RJ)

Com início de produção previsto para 2013, serão investidos R$ 650 milhões na construção da planta; estima-se a geração de 600 empregos diretos

Volvo equipamentos de construção expande negócios na Bolívia
LLX investiu mais de R$ 1 bi no Superporto do Açu (RJ), em 2012
Construtora Pavsolo adquire 34 caminhões Volkswagen Constellation

A LLX, companhia de logística pertencente ao Grupo EBX, assinou no dia 18/11 um contrato com a Technip Brasil visando à instalação de uma unidade de produção de tubos flexíveis para apoio à indústria offshore no Superporto do Açu, que vem sendo construído em São João da Barra (RJ) e deve começar a operar em 2013.

A unidade da Technip, que deve começar a produzir no ano de 2013, será instalada na margem direita do TX2 (terminal onshore do empreendimento) e contará com área para produção de tubos flexíveis, além de área para armazenagem e teste de material.

“Estamos investindo em novas instalações no Brasil, visando atender principalmente às demandas advindas a partir da exploração do pré-sal. Precisamos estar preparados para os desafios que virão, e o arrendamento dessa área no Superporto do Açu nos ajudará a atingir esses objetivos”, disse José Jorge Araújo, Diretor Presidente da Technip Brasil.

O Grupo prevê sejam investidos R$ 650 milhões na construção da unidade portuária, com geração de 600 empregos diretos.

O local terá 500 metros de frente de cais e 289.800 m² de área total. A previsão é que seja gerada receita para a LLX de aproximadamente R$ 22 milhões por ano em aluguel de área e utilização de infraestrutura.

“O Superporto do Açu se consolida, cada vez mais, como o principal destino para as indústrias de suporte ao setor de petróleo e gás no Brasil. Além de excelentes condições para instalação de suas unidades, o empreendimento está situado a apenas 150 km da Bacia de Campos e cerca de 250 km das Bacias de Santos e Espírito Santo, o que possibilita maior competitividade e redução de custos logísticos para as empresas que ali se instalarem”, disse Otávio Lazcano, diretor presidente da LLX.

Projeto Superporto

O Superporto do Açu é um Complexo Portuário Privativo de Uso Misto e é o maior investimento em infraestrutura portuária da América Latina: R$ 3,8 bilhões. Com dois terminais (um offshore e outro onshore), o Superporto vem sendo construído próximo à área responsável por 85% da produção de petróleo e gás do Brasil. O Complexo contará com um Distrito Industrial em área contígua e um amplo local para armazenamento dos produtos que serão movimentados.

No local serão instaladas duas siderúrgicas, duas cimenteiras, indústria automobilística, base de estocagem para granéis líquidos, pólo de indústrias metal-mecânicas e de serviços, Unidade de Construção Naval da OSX – que é uma empresa do setor de equipamentos e serviços para a indústria naval offshore de petróleo do Grupo EBX –, duas termelétricas da MPX (outra empresa de energia do Grupo EBX), plantas de pelotização de minério de ferro, Unidade para Tratamento de Petróleo, indústrias offshore, indústrias de tecnologia da informação e pátio logístico.

O Superporto do Açu estará preparado para receber navios de grande porte, como o Capesize, VLCC e navios Chinamax, que transportam até 400 mil toneladas de carga. Com construção iniciada em outubro de 2007 e área total de 90 km², o Superporto do Açu terá profundidade inicial de 21 metros (com expansão para 26 metros). Atualmente, somente 7% dos portos brasileiros possuem capacidade para receber navios capesize.

O Superporto do Açu contará com dois conjuntos de terminais: o TX1, correspondente aos terminais offshore com uma ponte de acesso com 3 quilômetros de extensão (já concluída), e o TX2, com terminais em torno do canal interno de navegação. O Superporto do Açu terá 17 km de píer e até 40 berços para atracação de navios.

O TX1 contará com 9 berços dedicados a minério de ferro e petróleo. Já o TX2 terá mais de 13 km de cais e um canal com largura de 300 metros, e movimentará produtos siderúrgicos, carvão, ferro gusa, escória e granito, além de granéis líquidos e veículos.

Com área total de 8 milhões de m², o TX2 contará com cerca de 2 milhões de m² para a instalação de indústrias de apoio offshore e será um importante pólo de apoio para petróleo e gás.

A previsão é que o Superporto do Açu movimente 350 milhões de toneladas por ano entre exportações e importações, com destaque para o petróleo, o que o posiciona entre os 3 maiores complexos portuários do mundo.

COMMENTS