Cummins apresenta sistema integrado que atende ao Euro 5

Produtos e soluções da empresa estão sendo mostrados na Fenatran, no Pavilhão de Exposições Anhembi, em São Paulo

Grupo Tora adquire 255 caminhões Scania
Ford investe em projeto para testes de eficiência do biodiesel
Ferrovia já é responsável por 30% da matriz de transportes no País

A Cummins Brasil, fabricante de motores a diesel está mostrando na 18ª edição da Fenatran, Salão Internacional do Transporte que acontece entre os dias 24 e 28/10, no Pavilhão de Exposições Anhembi, em São Paulo, todos os produtos e soluções desenvolvidas para atender às normas Euro 5/Proconve P7, que controlam a redução de emissão de poluentes e entram em vigor a partir de 2012.

O sistema integrado da Cummins para o mercado brasileiro é resultado de um trabalho desenvolvido pelas seguintes unidades de negócios da empresa: Motores, Sistemas de Combustíveis, Sistemas de Filtração, Turbos e Soluções de Emissões.

Incorporado ao sistema integrado da Cummins, o Agente Redutor Líquido Automotivo Arla-32 complementa o atendimento às novas legislações de emissões. O produto será injetado no catalisador para reduzir as taxas de emissão de NOx na atmosfera e também será fabricado e distribuído pela Filtration, divisão de filtros da marca.

Solução Integrada

Todos os componentes e processos foram agregados a uma estrutura que engloba desde o filtro de ar, na entrada de ar do motor, passando pelo motor, soluções de turbocompressor e de pós-tratamento de gases. Todos os produtos estarão disponíveis no mercado partir de janeiro de 2012.

A empresa também desenvolveu o Direct Flow, que é um filtro de ar mais compacto, leve e fabricado com materiais plásticos e tecnologia patenteada do meio filtrante Stratapore.
Visando atender às normas Euro 5, a Unidade de Negócios de Motores da Cummins está colocando no mercado sete motores eletrônicos, sendo quatro novidades para o Brasil e três versões incrementadas e preparadas para receber a tecnologia Cummins Euro 5.

Os motores ISB 4, ISB 6 e o novo ISL não aumentaram de tamanho e mesmo assim proporcionam mais desempenho e menor consumo para garantir baixo custo operacional ao consumidor final.
A nova tecnologia da empresa inclui também a aplicação OBD (On Board Diagnoses), que em caso de emergência, um sistema eletrônico envia um sinal para o motorista e automaticamente reduz a potência do veículo para controlar o nível de emissão.

O Cummins ISB 4 aplicado em ônibus e caminhão recebeu maior cilindrada – de 3,9 para 4,5 litros (+15%) – sendo que sua potência passou de 172 cv para 210 cv (+22%). Já o motor ISB 6 de 6,7 litros (ante os 5,9 litros (+14%), de 274 cv de seu antecessor) desenvolve agora 304 cavalos (+11%). Ambos aperfeiçoam as características que o tornaram ícones de consumo e durabilidade.

A unidade de motores da empresa projetou um novo motor, uma evolução do ISC 8.3 de 324 cv e lança o ISL de 8,9 litros (+7%) capaz de desenvolver até 405 cavalos de potência (+27%).
Uma versão do ISL a gás também será oferecida pela empresa. Importado dos EUA, o motor é desenvolvido pela joint-venture Cummins Westport.

O novo ISM de 11 litros, com potência de até 440 cv, destinado a caminhões e ônibus, também chega para incrementar a gama de motores Cummins Euro 5.

Mais compacto e mais leve em relação aos concorrentes, os novos motores Cummins ISF 2.8 High Speed Diesel e ISF 3.8, de 4 cilindros, foram projetados para atender pick-ups, comerciais leves, caminhões e ônibus (até 9 toneladas).

Para complementar toda a estrutura da empresa para o Euro 5 / Proconve P-7, a Cummins Emission Solutions (CES) desenvolveu catalisadores de ureia que operam diretamente com o Arla 32.

Essa tecnologia, denominada SCR (Selective Catalytic Reduction), é a solução completa da Cummins Brasil para as necessidades dos usuários. Óxidos de Nitrogênio (NOx) emitidos durante a combustão são neutralizados no processo SCR por um líquido composto por 32,5% de ureia técnica dissolvida em água (Arla-32). A ureia é um líquido não tóxico, injetado no sistema de exaustão. O NOx e as moléculas de amônia reagem no catalisador, liberando nitrogênio e vapor de água.

COMMENTS