Produção de caminhões continua em alta, mas desacelera em junho

Produção de caminhões continua em alta, mas desacelera em junho

Montadoras brasileiras fabricaram quase 100 mil caminhões novos este ano, Iveco foi a que mais creceu e a MAN manteve a liderança em vendas

Tribunal de Justiça de SP suspende reajuste de pedágios
Falta de planejamento em projetos na Bahia geram prejuízo de R$ 2 bi, diz TCU
Mercedes-Benz participa da 18ª Fenatran com linha inteiramente renovada

A produção de caminhões no Brasil voltou a apresentar alta em junho na comparação com o mesmo mês do ano passado. As montadoras brasileiras fabricaram 17,2% mais caminhões este ano. Na comparação com o mês de maio houve recuo de 1%, indicador que levou o consolidado no ano a um avanço de 12,2%. De janeiro a junho deste ano foram produzidos quase 100 mil veículos contra 88,656 mil caminhões no mesmo período do ano passado. Os dados constam do levantamento mensal divulgado ontem pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Diferente do mês passado, quando o volume de licenciamentos apresentou um número bem inferior ao da produção, este mês os indicadores estiveram bem próximos. Segundo o balanço da entidade, os licenciamentos nesse segmento da indústria automobilística aumentaram 16,9% no primeiro semestre deste ano contra o resultado do ano passado. Foram emplacados 82 mil veículos ante 71 mil de 2010.

A Iveco manteve a liderança em crescimento nas vendas com 49,5% a mais nos seis primeiros meses de 2011 na comparação a 2010. Esse número representa uma desaceleração de 10 pontos porcentuais em comparação aos 59,2% de crescimento registrados até o mês passado. Ainda assim, manteve a quinta posição entre as mais vendidas. A liderança em número de unidades continuou com a MAN com 4,290 mil unidades vendidas em junho e que somam 25,211 mil veículos da marca (contada a Volkswagen) que chegaram às ruas. Em seguida vem a Mercedes-Benz com 20,639 mil caminhões comercializados.

Dentre as categorias de veículos, o primeiro semestre fechou sem novidades, os semipesados responderam por 28,163 mil unidades 29,4% a mais que em 2010. Aliás a Scania, que anunciou seu retorno a esta categoria entregou as sete primeiras unidades desta nova fase da montadora. Os leves cresceram 15,5%, os pesados 11,2% — esta foi a segunda categoria em vendas com 26,094 mil veículos. Os médios ficaram com vendas quase estáveis em comparação aos seis primeiros meses do ano passado, 2,3% de alta.

Quanto ao desempenho das montadoras em vendas ao mercado internacional, a comparação entre junho e o mês anterior não foi nada animadora, houve uma retração de 26,6%. Porém se compararmos o primeiro semestre deste ano contra 2010, há um crescimento expressivo, 38,2%. Segundo a Anfavea, foram exportados nesse período 12,556 mil veículos de todas as categorias. O destaque nas vendas externas ficou novamente com os leves, que no ano subiram 60%, seguidos de perto pelos pesados, com 56,3%.

Ônibus e automóveis

Na categoria para transporte de passageiros (incluindo chassis), as vendas consolidadas do semestre também avançaram, 23,1% com 16,261 mil unidades. Esse resultado poderia ter sido melhor se não fosse o desempenho de junho, quando as empresas venderam 2,627 mil unidades, 8,8% a menos que no mês de maio. As líderes de mercado continuaram sendo a a Mercedes  e a MAN, que dominam quase 80% desse mercado. Mas é preciso destacar que nesse segmento a Iveco cresceu 221%, com 700 unidades comercializadas ante as 218 do mesmo período do ano anterior.

Já em automóveis, a produção chegou a 295,6 mil carros, retração de 2,8%. Apesar disto, houve alta de 4,1% na comparação entre janeiro e junho de 2011 e 2010. Os licenciamentos, por sua vez, avançaram 10% nessa mesma base de comparação. Com isso, estimou o presidente da Anfavea Cledorvino Belini, deverá haver uma revisão da estimativas de vendas no mercado brasileiro nos próximos meses. “Tudo leva a crer que haverá um aumento, mas preferimos manter a cautela”, disse ele. Essa perspectiva tem como base a média diária de vendas que esteve em torno de 14 mil unidades, enquanto no mesmo período do ano passado esse número era de 12,8 mil veículos.

A Volkswagen perdeu a liderança de mercado com 284,768 mil carros vendidos, esse número representa 22,4% do mercado de automóveis fabricados no país. A Fiat, presidida por Bellini, é quem assumiu o primeiro posto em unidades vendidas com 289,362 mil unidades, que representam 22,7%  do mercado. Em terceiro lugar está a GM com 255 mil veículos e em quarto a Ford pouco mais de 120,5 mil veículos novos comercializados.  No total, foram vendidas 1,273 milhão de unidades vendidas no ano de 2011.

COMMENTS