Metra e EMTU/SP se unem com ONG pró-meio ambiente para promover descarte adequado de óleo usado

Empresas de transporte metropolitano instalaram ponto de coleta de óleo de cozinha em suas portarias, em São Bernardo do Campo

VW do Brasil transforma instalações administrativas em “escritórios sustentáveis”
Brasil está atrasado no uso de gás natural em veículos pesados, afirma presidente de associação
Desde 2003, uso do etanol evitou emissão de 240 milhões de toneladas de carbono no Brasil

A concessionária Metra, que opera no Corredor Metropolitano ABD (São Mateus – Jabaquara), e a EMTU/SP (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos), instalaram um ponto de coleta de óleo de cozinha em suas portarias, em São Bernardo do Campo.

A iniciativa é uma parceria com a  ONG Oxigênio Desenvolvimento de Políticas Públicas e Sociais que conta com o projeto “Óleo Vivo”, que tem como objetivo conscientizar as pessoas sobre a forma adequada de descartar o óleo na natureza. O orgão conta com parceiros ligados à educação, empresas, comerciantes, donas de casa e outras instituições.

Até o dia 30 de junho, a iniciativa será disseminada por meio de folhetos, faixas e  de um grupo de atores que farão a divulgação nas residências e estabelecimentos comerciais próximas do ponto de coleta.

Nas portarias da Concessionária Metra e da EMTU/SP, localizadas na Rua Joaquim Casemiro, nº 290, em São Bernardo do Campo, foram instalados recipientes para o armazenamento do óleo descartado.

A ONG destinará o material colhido nos postos de coleta.

Consequências do mau descarte

Um litro de óleo despejado no esgoto é capaz de poluir aproximadamente um milhão de litros de água. Segundo a Sabesp, essa quantidade corresponde ao consumo de uma pessoa durante 14 anos.

O despejo  do óleo na rede de esgoto provoca entupimento e compromete o  funcionamento das estações de tratamento. Para limpar as galerias são utilizados produtos químicos tóxicos de efeito negativo ao meio ambiente.

COMMENTS