Mais de 30 mil paulistanos são prejudicados com ruídos do aeroporto de Congonhas, diz Anac

Mapeamento classifica parte dos bairros de Moema, Jabaquara e Itaim como impróprios para morar

Prédio da Vasp no Aeroporto de Congonhas (SP) será leiloado
Aeroporto de Petrolina (PE) recebe novo aparelho para inspeção de carga
Terminal de carga de Petrolina (PE) realiza primeira operação de importação de cargas

Cerca de 31 mil paulistanos sofrem todos os dias com níveis elevados de ruído do aeroporto de Congonhas. É o que um estudo realizado pela Anac – Agência Nacional de Aviação Civil revelou recentemente.

O barulho diário das aeronaves que pousam e decolam no terminal atinge a população que mora nas redondezas. O mapeamento classifica o local como zona de ruído com níveis inaceitáveis, impróprias para habitação. Os atingidos estão em 9.951 casas espalhadas nos bairros de Moema, Jabaquara e Itaim, além de 30 “receptores críticos”, como escolas e hospitais.

Mas este número pode ser maior. Segundo a Associação de Moradores do Entorno de Congonhas, são aproximadamente 60 mil residências prejudicadas. Em alguns casos, o pico de ruído registrado foi de 96 decibéis, capaz de ensurdecer alguém.

Não só perto de aeroportos, mas em muitos locais nos grandes centros urbanos, medições de ruído mostram mais que 90 decibéis.

A fonoaudióloga Isabela Gomes, da Telex Soluções Auditivas, explica que o nível máximo de conforto é de 55 decibéis no período diurno e de 50 decibéis no período noturno.

“Nessa intensidade de 90 decibéis, após quatro horas diárias de exposição, o indivíduo terá sua acuidade auditiva afetada”, diz ela. “No caso de perda auditiva, como existem pessoas mais suscetíveis aos altos ruídos do que outras, o ideal é consultar um especialista, fazer um exame chamado audiometria para detectar se já existe algum dano à audição e obter as orientações necessárias para prevenir ou impedir o agravamento do problema”, orienta.

A fonoaudióloga ressalta que a perda auditiva induzida por ruído é cumulativa. “Qualquer dano à audição vai se somando ao longo do tempo. Os efeitos podem não ser sentidos e a percepção do problema auditivo pode vir tarde demais. A exposição frequente ao barulho pode levar, com o tempo, à perda permanente e irreversível da audição”.

Confira abaixo a tabela de intensidade sonora:

 

COMMENTS