Aéreas planejam mais 170 aviões até 2015

Aéreas planejam mais 170 aviões até 2015

Levantamento feito pelo Portal Transporta Brasil indica que as cinco maiores companhias brasileiras, que representam 96% das viagens domésticas, apostam na expansão da frota e investem em novas aeronaves para acompanhar ritmo de crescimento do setor

Iberia batizará novo Airbus A330 homenageando o Brasil
TAM divulga resultados de abril a junho
Embraer fecha 2º trimestre de 2014 com 58 aeronaves entregues

Com a demanda por voos no mercado aéreo doméstico crescendo a taxas acima de 30%, as companhias aéreas acabam se vendo obrigadas a aumentar o numero de assentos, medida possível apenas com a aquisição de novas aeronaves. Das cinco maiores no Brasil, que detêm 96% do mercado, todas possuem um plano de expansão que, somados, até 2015, deverão colocar nos céus do Brasil uma frota de mais 170 aeronaves de médio e grande portes.

Essa necessidade tem como base os números de elevação da demanda por esse tipo de transporte que, cada vez mais, está substituindo o transporte de passageiros por ônibus. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o último balanço, de abril, indica que o movimento por este modal subiu 31,45% em comparação com o mesmo mês do ano passado. Em relação à oferta, o aumento foi de 15,44%. Com isso, a taxa de ocupação chegou a 73,37%, contra 64,43% em abril de 2010.

Na esteira desses ventos favoráveis à indústria, a Avianca, quinta colocada no ranking do mercado nacional com 2,6% de market share, informou que investirá R$ 1,5 bilhão até 2016. O principal foco desses recursos é a aquisição de 13 aeronaves Airbus A318 até 2013. Sendo que os dois primeiros dessa safra já foram entregues. Outra parcela desse dinheiro tem como destino a melhoria da infraestrutura da empresa com a abertura de voos para novas cidades, todas na região Nordeste. A expectativa é de que a frota total da companhia em 2016 seja de 32 aviões.

Já o planejamento de frota operacional de médio prazo da Gol, segunda colocada no mercado com 36,47% de share, prevê uma elevação de 18% no numero de aeronaves que estarão nos céus da America Latina. Até 2015, a empresa deverá contar com uma frota operacional de 131 aviões, sendo 40 deles do modelo Boeing 737-700 e os 91 restantes 737-800 NG. Já este ano deverá ser finalizado com 115 unidades ao todo. Em março, ao final do primeiro trimestre do ano, a empresa registrou 11 aviões do modelo 737-700 e -800 NG (next generation).

No caso da líder, a TAM, que domina 44,52% das viagens aéreas domésticas, o plano de frota da empresa não foi alterado recentemente. A TAM deverá encerrar este ano com mais uma entrega de Airbus A321 após os dois A330 recém-chegados e que serão utilizados para rotas internacionais a partir do Rio de Janeiro. Com isso, o número de aeronaves chegará a 156 unidades. As últimas a serem entregues em 2011 serão três novos A319 e um A320. Dois outros dois ATR-42da Pantanal deixarão de voar pela companhia.

Até 2015, o planejamento da TAM prevê que a empresa terá 182 aeronaves. Sendo que nenhum ATR-42 estará contabilizado nesse número. Serão 36 da categoria wide body onde encontra-se os maiores modelos, entre eles o A330 e A340 da Airbus que devem chegar a 24 unidades, mesmo numero deste ano, e 12 unidades do Boeing 777 com 365 assentos. Já na categoria narrow body, dos modelos A319, A320 e A321, esse número passará a 146 ante os 124 previstos para o final deste ano.

Segundo os dados mais atuais da Azul, terceira colocada no mercado nacional com 7,47%, que datam de março deste ano, a empresa possui 31 aeronaves sua frota que é composta por jatos Embraer modelos 190 e 195, e por ATR 72-200. Neste ano, a companhia receberá ainda 10 aeronaves Embraer 195, conforme seu planejamento estratégico. O plano de frota prevê que a companhia passe para 86 jatos da Embraer e pelo menos 20 aviões modelo ATR 72-600 até 2015

Já a Webjet pretende aumentar a frota de 23 aeronaves para 58 aviões até 2015, com recursos que serão captados com a abertura de capital da companhia. A intenção da companhia é sair à frente da Azul, que pretende negociar suas ações na bolsa até o fim de 2011.

COMMENTS