Ipem-SP flagra 146 veículos com irregularidades no cronotacógrafo

Operação do Instituto, batizada de “Velocidade Máxima”, fiscalizou 387 caminhões e ônibus em rodovias e garagens paulistas. “Infelizmente, o alto índice de multas evidencia a falta de responsabilidade dos transportadores”, diz órgão

Golden Cargo otimiza processos com informatização
Indústrias da zona sul de São Paulo estão isoladas pelas restrições
Aceitação entre os vizinhos

O Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem-SP) realizou na semana passada a Operação “Velocidade Máxima”, um esforço de fiscalização para verificar a correta aferição e utilização dos cronotacógrafos, equipamentos que registram a velocidade e outros dados das viagens de caminhões e ônibus.

Segundo o Instituto, foram inspecionados 387 ônibus e caminhões em garagens e rodovias do Estado e o resultado foi a autuação de 146 veículos que estavam em situação irregular. “Esse alto índice de multas evidencia, infelizmente, a falta de responsabilidade dos transportadores”, afirma o superintendente do Ipem-SP, Fabiano Marques de Paula.

O cronotacógrafo registra dados do percurso, tais como respeito aos limites de  velocidade,  distância  percorrida,  pontos  de  parada, dentre outros. Segundo   normas  do  Instituto  Nacional  de  Metrologia,  Normalização  e Qualidade  Industrial  (Inmetro), veículos que transportem mais de 4.536 kg ou mais de 10 passageiros, devem trafegar com certificado de verificação do cronotacógrafo  emitido  pelo  Ipem-SP  a  cada  dois  anos  ou  depois  de manutenção do equipamento.

Para Fabiano Marques de Paula, o número expressivo de multas evidencia que os transportadores  não  estão cumprindo  suas  obrigações.  “É importante chamar a atenção de todos, com urgência, em respeito à vida e à segurança nas rodovias. Afinal, estamos falando  de um tema essencial para as pessoas, que é tornar o trânsito mais seguro”.

Proprietários dos veículos ou empresas irregulares têm dez dias para apresentar defesa ao Ipem-SP, que definirá multa que varia de R$ 100 a R$ 50 mil, dobrando na reincidência.

COMMENTS