ANTT publica novas regras para o transporte de produtos perigosos e volta atrás

ANTT publica novas regras para o transporte de produtos perigosos e volta atrás

Agência, que publicou na semana passada a Resolução 3.665, com as novas regras para o segmento, voltou atrás nesta quarta e suspendeu o conteúdo da publicação por meio de nova resolução. ANTT alega necessidade de revisão do conteúdo da resolução

ANTT regulamenta pagamento de frete aos autônomos
Começa levantamento de pontos de descanso para caminhoneiros nas rodovias federais
Agência Nacional de Transportes Terrestres discute regulamentação de cartão-frete

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) está querendo mudar as normas que regem o transporte de produtos perigosos no Brasil, mas a impressão que dá é que não está acertando a mão. Na semana passada, a Agência publicou a Resolução nº 3.665, que trazia todas as novas regras para o segmento, mas, nesta quarta-feira, publicou no Diário Oficial da União a Resolução 3.671, que suspende a publicação anterior e deixa novamente o assunto em aberto.

Segundo a assessora Técnica do Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região (SETCESP), Sandra Caravieri, especialista no assunto, a resolução suspensa da ANTT traria impactos negativos às operações de transporte de produtos perigosos, pois a maior parte das sugestões apresentadas pelas entidades representativas do setor não foram consideradas pela agência. “Esta resolução 3.665 criaria uma instabilidade para quem expede, transporta e fiscaliza o transporte de produtos perigosos, pois acaba com as citações das Normas Técnicas da ABNT, que eram referências para a sinalização dos veículos e equipamentos para emergência, entre outros detalhes importantes”, diz Sandra.

Não se sabe o que a agência fará a partir de agora, somente que as regras atuais continuam em vigência. As empresas e entidades representativas do setor esperam participar da criação das novas regras junto com a ANTT.

Na prática, nada muda para o transportador de produtos perigosos, apesar da publicação das novas exigências. O setor fica em compasso de espera.

COMMENTS