Onip quer maior competitividade no setor de petróleo e gás

A Organização Nacional da Indústria do Petróleo lançou nesta segunda-feira um documento com medidas para o aumento da concorrência. A agenda proposta foi entregue ao BNDES

Governo aprova injeção de mais R$ 11 bi no PSI para ônibus e caminhões
BNDES suspende Finame PSI para caminhões. Procaminhoneiro está mantido
Projeto que recupera rodovias no Sul é o primeiro beneficiado com redução de taxas do BNDES

A Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip) lançou um documento com dez políticas e 63 ações para aumentar a competitividade da cadeia produtiva do petróleo e gás offshore no Brasil. A agenda foi entregue ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). De acordo com a organização, a concorrência é importante para a geração de empregos no setor e para abrir a competitividade das empresas brasileiras no exterior.

Conforme informações do relatório, cerca de 420 mil pessoas trabalham na cadeia de produção de petróleo e gás offshore no país. Com o aumento da competitividade, estima-se 2,1 milhões de empregados até 2020: aproximadamente 1,2 milhões a mais do que se não adotarem as ações previstas.

O diretor de Projetos e Infraestrutura do BNDES, Wagner Bittencourt, explica que a competitividade é importante não só para o setor, mas para a economia em geral. “Os fornecedores da cadeia de petróleo e gás podem ser também fornecedores de uma série de outros setores. Se eles tiverem uma demanda bastante forte, isso vai permitir que eles tenham escala, que tenham uma gestão muito melhor, que tenham uma capacidade de produção efetiva com melhor qualidade e que gerem mais emprego. Esses empregos de qualidade vão gerar renda e mais demanda. Isso é um ciclo virtuoso”, afirma.

Propostas

As principais medidas descritas na agenda são a disseminação do conhecimento e da inovação tecnológica pelas empresas da cadeia, o aumento na transparência das políticas de exigência de conteúdo nacional, o acesso a matérias-primas e infraestrutura em condições competitivas, a atração de investimento de empresas internacionais e a garantia de isonomia tributária, técnica e comercial entre empresas brasileiras e estrangeiras.

Por Marília Brandão – Redação Portal Transporta Brasil, com informações da Agência Brasil

COMMENTS