Montadoras precisam oferecer mais segurança

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Jr. defende que as montadoras ofereçam mais segurança em seus veículos

Infraestrutura aeroportuária: o nó chegou no pente
A comunicação em tempos de empreendedorismo
Gestante na direção veicular

As leis, resoluções e tudo que se tem feito para regulamentar a segurança dos veículos têm o seu foco voltado para o proprietário do veículo, castigando-o na aquisição de equipamentos de segurança e muitas vezes na adaptação do veículo para colocação de tal equipamento. São condições obrigatórias para o consumidor que muitas vezes não tem condição financeira para aplicação das determinações legais.

Não há dúvida que precisamos inverter tal situação.  As leis, resoluções que abrangem a segurança veicular têm que atuarem sobre as montadoras. O governo e as entidades envolvidas com transporte precisam entender que o trânsito e o transporte no Brasil necessitam políticas públicas atuantes para resolvermos o gravíssimo problema de saúde pública gerado no transporte, principalmente sobre as perdas de vidas, seqüelados, onde bilhões de reais são consumidos sem nada se fazer para a redução e a contenção dos absurdos que ocorrem em nossas vias públicas.

Há que se ter um controle maior sobre o transporte individual e ao mesmo tempo uma melhor formação de nossos condutores em todos os segmentos, desde a avaliação médica, psicológica com a introdução da avaliação psiquiátrica, ao uso de simuladores e treinamento prático das adversidades e condições de risco para o acidente. Ampliar tempo de formação, manter educação continuada e reavaliação periódica são necessidades na melhoria da qualidade de nossos motoristas.

As montadoras em suas propagandas têm que destacar a segurança como fator primordial na boa escolha de um veículo e não a velocidade, a beleza. Desenvolver na população que o produto oferecido dá maior proteção ao motorista, aos usuários e que a finalidade é mobilidade com melhor qualidade e segurança.

Para isso, todos os acessórios de segurança têm que estar embutidos nessa comercialização.

A máquina sobre rodas é um risco permanente.

Não se pode entender que uma máquina sobre rodas de alta periculosidade possa ser utilizada sem os complementos de segurança.

E quais seriam os acessórios a serem instalados nos veículos na sua produção?

E as medidas de segurança a serem adotadas pelo fabricante?

São perguntas com respostas fáceis, mas que dependem de atitude política.

Veja como colocaríamos as necessidades básicas dos veículos em geral.

Acessórios obrigatórios:

  • Air Bag frontal e lateral para o número de passageiros.
  • Cinto de segurança de três pontas inclusive para o assento central do banco trazeiro.
  • Cadeira de segurança (duas) com local próprio para fixação. Opção de escolha pelo consumidor para idade e estatura dos filhos.
  • Etilômetro (bafômetro) acoplado a ignição. Havendo nível alcoólico no ar expirado não ocorre a ignição.
  • Freios ABS
  • Limitação da velocidade. As rodovias não permitem velocidade acima de 120 Km/h. Por que produzir veículos que atingem 200 ou 300 Km/h?
  • Apoio para a cabeça em todos os assentos.

Medidas obrigatórias a serem fornecidas pelo fabricante:

  • Treinamento para cada modelo de veículo comercializado. Não podemos aceitar que ao se adquirir um veículo as explicações rápidas de como funciona e como se dirige sejam passadas da maneira que vemos atualmente. O vendedor é o agente responsável por essa transmissão de conhecimentos. O comprador tem que recorrer ao manual para conhecer o veículo. A dirigibilidade ficará por conta do comprador.

Imagine, tenho um automóvel de direção mecânica, freios e câmbio comuns. Vou a uma concessionária e compro um veículo com direção hidráulica, câmbio automático, freios ABS, dimensionamento do veículo maior, com computador de bordo e toda sofisticação e vou usá-lo sem um aprendizado, sem um treinamento específico, técnico. Não conhecendo a máquina vou transitar experimentalmente fazendo a auto aprendizagem. Esse é um dos absurdos que todos têm conhecimento e nada é proposto para solução. Cada modelo de veículo é um veículo distinto com características de dirigibilidade também distintas.
É obrigação de quem produz dar o treinamento.
Alguém certamente vai ponderar sobre o investimento, o custo para que o veículo saia da montadora com todos os requisitos de segurança, mas não temos dúvida que o investimento na prevenção vai reduzir substancialmente o custo no fim da linha.

  • Outra medida cautelar é a ação sobre a propaganda, dando ênfase para a segurança, importância da mobilidade e redução da sinistralidade.

Estamos convictos de que essa seria uma das medidas cautelares e exemplares para que as leis, resoluções atuassem diretamente no fabricante e outras sobre as avaliações de saúde física, mental e social, bem como nos cursos de formação de condutores e auto-escolas.

Esse seria o conjunto de ações iniciais para reduzirmos a sinistralidade, custos, mortes, seqüelados e violência no trânsito. Somente com medidas atuantes nas fontes geradoras da máquina, do condutor, dos órgãos fiscalizadores teremos soluções para o nosso transitar seguro.

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior, médico, diretor da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego – www.abramet.org.br)
drdirceu@transportabrasil.com.br

dr-dirceu2 Visite o perfil do articulista

É proibida a reprodução do conteúdo deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Transporta Brasil. As opiniões emitidas nos artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Portal Transporta Brasil.

COMMENTS