Etanol de milho começará a ser produzido em projeto experimental

Produtores do Mato Grosso, com o apoio de entidades do setor agrícola, viabilizam pequena produção piloto de biocombustível proveniente do grão de milho. Caso haja êxito, o Estado poderá adaptar 40 usinas para o processo

Nova geração Scania já chega ao pódio dos mais vendidos
Concessionária Metro-Shacman de Sorriso (MT) vende 20 caminhões para setor do agronegócio
Safra de trigo deve ser de 5,85 milhões de toneladas, prevê Conab

Em caráter experimental, produtores do Estado do Mato Grosso passarão a produzir etanol proveniente do milho a partir deste mês. O projeto, com investimento estimado em R$ 400 mil, será realizado com o apoio da Associação de Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e de universidades.

A usina que deve processar o milho está localizada na cidade de Campos de Júlio, a quase 600 quilômetros da Capital Cuiabá. Os responsáveis pelo projeto também estudam a possibilidade de viabilizar futuramente a produção massiva do combustível. Ao todo, seriam 40 usinas operando em Mato Grosso que, juntas, poderiam absorver 20% da produção de milho no Estado: cerca de 2 milhões de toneladas.

De acordo com um levantamento realizado pelo Instituto de Economia Aplicada do Estado (Imea), o custo de produção do milho é maior do que o preço que o produtor recebe. Os grandes centros consumidores ficam distantes e o preço do frete acaba tornando inviável a comercialização. Para superar esse déficit, alguns produtores vêm buscando uma maneira de utilizar a grande quantidade não aproveitada na fabricação de etanol. “Antes o valor do investimento era alto. Mas agora, foi desenvolvido um equipamento mais barato, capaz de transformar o sonho em realidade”, afirma o presidente da Aprosoja, Glauber Silveira.

Além de viabilizar o projeto piloto, a Aprosoja, junto à Agência Nacional do Petróleo, vem analisando o procedimento de registro dos produtores e distribuidores de etanol de milho.

Por: Victor José – Portal Transporta Brasil

COMMENTS