São Paulo aperta restrições ao caminhão

Prefeito Gilberto Kassab proibiu os caminhões na Marginal Pinheiros e nas avenidas Bandeirantes e Roberto Marinho das 5h às 21h. Anúncio foi feito durante evento sobre mobilidade urbana no sindicato paulista dos transportadores. VUCs foram liberados do rodízio de placa par e placa ímpar

Construtora Barbosa Mello adquire 20 caminhões Scania G 440 8×4
Roubo de cargas no Brasil sobe quase 37% entre 2010 e 2014
Método “canguru” de elevação do eixo traseiro pode trazer perigo para as estradas

A prefeitura de São Paulo continua com sua política restritiva ao trânsito de caminhões na cidade, na esperança de que a proibição aos veículos de carga irá melhorar o trânsito da metrópole. Ontem, 28 de julho, o prefeito Gilberto Kassab, acompanhado do secretário de Transportes Marcelo Branco, declarou em um evento sobre mobilidade urbana no SETCESP (Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região), que proibirá o trânsito de caminhões nas avenidas Roberto Marinho e Bandeirantes, além da Marginal Pinheiros, todas importantes vias da zona sul da Capital paulista.

Apesar do aumento nas restrições, Kassab também anunciou uma medida positiva para o transporte de cargas na cidade. Ele liberou os VUCs do rodízio placa par e placa ímpar, aumentando a possibilidade de utilização deste tipo de veículo nas operações urbanas, um pedido antigo do setor.

“Ele deu com uma mão e tirou com a outra”, diz o presidente em exercício do SETCESP, Manoel Sousa Lima Jr. “O VUC é o veículo ideal para trabalhar em São Paulo e esta liberação ajuda um pouco os transportadores. Mas a restrição na Bandeirantes, Marginal Pinheiros e Roberto Marinho nos pegou de surpresa. É como se tivessem nos tirado as veias mais importantes do corpo humano. O caminhão é visto como a gordura que entope as artérias, mas nós somos o oxigênio, entregamos mercadorias e bens”, diz Lima Júnior. “Se é para nos restringir o horário diurno, deveria também obrigar o comércio a abrir de noite para receber carga, o que não acontece”, comenta.

“O prefeito tirou apenas parte do bode da sala. Não temos mais segurança para comprar veículos e dimensionar nossa frota para São Paulo, pois as regras mudam a toda hora”, comentou Urubatan Helou, presidente da Braspress, também no evento do SETCESP.

Por: Leonardo Andrade – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS