Porto Alegre (RS) estuda proibição de caminhões pesados no Centro

A EPTC, órgão responsável pelo trânsito na cidade, prevê melhoria no fluxo da região metropolitana. Restrição valeria para veículos com peso acima de quatro toneladas, durante as 24 horas do dia. Setor de transportes contesta a medida

Scania comemora mais de 600 unidades vendidas na Fenatran
DAF Caminhões contrata DB Schenker para fazer logística de fábrica no Brasil
Randon encerra terceiro trimestre com acréscimo de 147,4% no lucro líquido

A EPTC (Empresa Pública de Transporte e Circulação) estuda a restrição do trânsito de veículos com mais de quatro toneladas no centro de Porto Alegre (RS), durante as 24 horas do dia. Representantes do órgão acreditam que a medida tomada em São Paulo poderia beneficiar o bem estar público. Hoje, não há restrição ao trânsito de caminhões na capital gaúcha, mas existem áreas e horários de carga e descarga em algumas vias.

“Fizemos uma comparação com outras cidades onde há restrição. O que pretendemos com esse projeto é uma proibição geral, durante o dia e a noite, para caminhões acima de quatro toneladas no Centro. Quando for necessário transportar algo de maior tamanho e volume, a nossa ideia é estipular um horário noturno, com relativa flexibilidade, para que o serviço seja feito. O objetivo principal é facilitar a circulação na área central da cidade”, comenta o secretário municipal de Mobilidade Urbana e diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari.

A proposta será discutida pela área técnica da EPTC antes ser apresentada ao prefeito José Fortunati. Além disso, um projeto em tramitação na Câmara de Vereadores sugere a proibição do trânsito de caminhões de grande porte em vias de até três faixas de toda a Capital nos horários de pico (das 8h às 9h30 e das 17h30 às 19h).

José Carlos Silvano, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística no Estado do Rio Grande do Sul (SETCERGS), não vê a medida com uma alternativa adequada. “O importante seria organizar melhor os pontos de carga e descarga. Utilizar mais caminhões para fazer o mesmo procedimento e em menor tempo provoca muito mais poluição, gera muito mais gasto de combustível e acresce bastante o valor do frete final que, em suma, repercute no preço final de todas as mercadorias”, diz ele. Já o professor da área de Trânsito e Transportes da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), João Hermes Nogueira Junqueira, acredita que a EPTC tem totais condições de controlar o tráfego e carga e descarga de veículos pesados na Capital, a exemplo de outras cidades de grande porte.

Por: Victor José – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS