Transações do Procaminhoneiro terão fundo garantidor

Medida pode remediar os problemas de financiamento para transportadores autônomos, que já tiveram a boa notícia da Lei 12.294, que estabeleceu novas regras para a remuneração e comprovação de renda dos caminhoneiros

Mesmo com incentivos, mercado de caminhões amarga nova queda em setembro
Iveco traz ao Brasil o extrapesado Trakker 8×4
Ford lança novos caminhões F-350 e F-4000

Como consta na circular 28/2010 do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), a partir de 27 de agosto, quaisquer transações do Procaminhoneiro serão feitas somente após concessão do FGI (Fundo Garantidor de Investimento).  A garantia pode chegar até a 80% do valor do bem. Até 31 de dezembro de 2010, o Procaminhoneiro terá juros de 4,5% ao ano.

O FGI possui parceria com 11 bancos comerciais e lastro de R$ 750 milhões. A cada operação do Procaminhoneiro, o banco encarregado contribuirá com 0,5% do valor que visa garantir. Já o beneficiado, caminhoneiro ou microempresário, deverá pagar tarifa para usufruir do serviço, que é calculada da seguinte forma: 0,10% vezes o número de meses da operação, vezes o valor garantido.

Em simulação de aquisição, o Departamento de Política e Gestão de Instrumento de Garantia do BNDES pagou a tarifa referente à compra de um caminhão de R$ 200 mil, que seria quitado em um prazo de 60 meses. De acordo com o banco, neste caso, o comprador fica com um encargo de R$ 9.600, que é ajuntado ao valor total do financiamento e liquidado durante os 60 meses. O agente financeiro poderá se recusar a utilizar o FGI somente em casos graves de restrição cadastral ou inadimplência do comprador do veículo.

Apesar das facilidades, os financiamentos estarão sujeitos à análise de crédito ao cliente. “O fundo tende a aumentar as possibilidades de crédito, pois provoca uma melhoria na percepção do risco de crédito pelo agente”, afirma o chefe do Departamento de Política e Gestão de Instrumento de Garantia do BNDES, Marcelo Porteiro Cardoso.

Saiba como utilizar o Procaminhoneiro

Por: Victor José – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS