Média do roubo de cargas cai 11,57% no primeiro trimestre em SP

Números da Secretaria de Segurança Pública divulgados pelo Sindicato e pela Federação dos transportadores paulistas mostram tendência de queda nas ocorrências, depois de um 2009 com alta no crime contra as cargas. Prejuízos de janeiro a março deste ano somaram R$ 65,336 milhões

Petrobras lucrou R$ 23,5 bilhões em 2013
Indústrias da zona sul de São Paulo estão isoladas pelas restrições
Presidente da CNT defende reajuste do diesel a cada 90 dias

O roubo de cargas no Estado de São Paulo entrou em uma tendência de queda nas ocorrências, de acordo com os números divulgados pela Secretaria de Segurança Pública, pelo SETCESP (Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região) e pela FETCESP (Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado de São Paulo).

De acordo com o levantamento, que traz os dados dos primeiros três meses de 2010, a média mensal de ocorrências caiu 11,57% em relação ao ano passado. A média de 2009 foi de 648 ocorrências por mês, enquanto que no primeiro trimestre deste ano, foi de 573 ocorrências.

O prejuízo com o roubo de cargas de janeiro a março no Estado soma R$ 65,336 milhões e mais de 70% das cargas roubadas tinham valor acima de R$ 3 mil.

Os dados mostram que março é, até o momento, o mês campeão de ocorrências, com 671 roubos, contra 512 de janeiro e 536 de fevereiro. O terceiro mês do ano também foi o campeão em prejuízos: R$ 27,624 milhões.

As rodovias com maior concentração de ocorrências no primeiro trimestre de 2010 foram a Régis Bittencourt, com 22,54% do total, seguida pela Via Dutra (17,05%) e Anhanguera (11,27%). A quarta-feira continua sendo o dia preferido pelas quadrilhas, com 366 ocorrências no trimestre e o horário com maior concentração de roubos é entre as 10 horas e o meio-dia, com 304 roubos.

Segundo o SETCESP, os tipos de cargas roubadas com maior valor agregado são os produtos eletro-eletrônicos, com R$ 15,468 milhões, as cargas fracionadas, com R$ 10,809 milhões, os produtos alimentícios, com R$ 8,412 milhões e os produtos farmacêuticos, com R$ 6,294 milhões.

Por: Leonardo Helou Doca de Andrade – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS