Porto: Prejuízo pode chegar a US$ 15 milhões

O valor não inclui a destruição das câmaras frigoríficas. Nem as cargas perdidas por agroindústrias exportadoras

Petrobras pode reduzir preço de combustíveis se petróleo mantiver cotação atual
Justiça impede obras do Expresso Aeroporto de serem iniciadas
Transporte para o Comércio é tema de seminário em Brasília

O incêndio no Iceport provocou um prejuízo que pode chegar a US$ 15 milhões, estima o superintendente do terminal de Itajaí, que integra o complexo portuário do Itajaí-Açu, Antônio Ayres dos Santos Júnior.

O valor não inclui a destruição das câmaras frigoríficas. Nem as cargas perdidas por agroindústrias exportadoras, que estavam estocadas no terminal frigorífico. Ontem, nenhuma das empresas ouvidas pela reportagem do DC soube estimar o volume dos prejuízos.

O Iceport armazenava 14 mil toneladas de congelados, entre carnes bovinas e de aves, 78% da sua capacidade total, que é de 18 mil toneladas.

O superintendente destacou que o prejuízo operacional foi muito maior que o de alimentos, porque toda a cadeia logística saiu prejudicada.

Os produtos seriam embarcados para o mercado externo: Ásia, Europa, Estados Unidos e Oriente Médio, que não receberão os produtos no prazo combinado.

Para dar uma dimensão do problema, apenas em outubro, foram embarcados 4.255 contêineres pela Portonave, um saldo 40% maior que o registrado em setembro.

Meta para o ano ficou complicada

– É grave o acidente e com repercussões ruins num momento em que o Porto de Itajaí (que fica na margem oposta do rio) se recupera da enchente. Prejudica muito a imagem. Agora que o porto estava retomando o volume de exportações, sofre mais um baque com esse incêndio – destaca o superintendente Ayres.

O Iceport foi inaugurado em agosto do ano passado. A expectativa da Portonave, onde o frigorífico está localizado, era movimentar até 410 mil TEUs (unidade padrão de medida para os contêineres no transporte de cargas) até o final do ano. Com a perda provocada pelo incêndio de ontem, não se sabe se a previsão continua.

A Portonave é o primeiro terminal privado do país e é considerado um dos mais modernos. Ayres lembrou que o terminal de Navegantes está com movimentação superior à do Porto de Itajaí, atingindo quase o mesmo volume registrado no ano passado em todo o complexo portuário, antes da enchente.

Em outubro, foram movimentados 51,5 mil TEUs na Portonave, 57% a mais que o mês anterior e um recorde em dois anos de operação. O terminal de Itajaí somou apenas 20 mil TEUs. No mesmo período, passaram pela Portonave 30,9 mil contêineres, 52% a mais que setembro.

O aumento se deve ao restabelecimento do canal de acesso ao complexo, assoreado após a enchente.

A baixa do dólar também acabou impulsionando as importações, que aumentaram 61% (7,5 mil contêineres) em relação ao mesmo mês no ano passado.

Veja matéria original

COMMENTS