Litoral quer verão sem buracos (PR)

Segundo levantamento junto às prefeituras, R$ 14 milhões já foram investidos nas quatro cidades e, até o início da temporada, outros R$ 3,8 milhões devem ser gastos nesse tipo de obra

Camex quer criar mecanismos para facilitar as exportações brasileiras
Volvo propõe suspensão temporária de contratos
Agronegócio e montadoras vão frear economia do PR

Até o fim do ano, quase R$ 18 milhões serão investidos por Guaratuba, Matinhos, Pontal do Paraná e Paranaguá, no litoral do estado, para recuperar ruas asfaltadas, dar manutenção às vias sem pavimento e para organizar o trânsito. Segundo levantamento junto às prefeituras, R$ 14 milhões já foram investidos nas quatro cidades e, até o início da temporada, outros R$ 3,8 milhões devem ser gastos nesse tipo de obra.

A principal preocupação, além de melhorar a infraestrutura dos municípios para os moradores, será atender o movimento dos turistas no verão. Durante a temporada, a população no litoral paranaense aproxima-se de 1 milhão de pessoas.

Investimentos

O maior investimento está sendo feito em Paranaguá, que tem muitas ruas esburacadas, devido à falta de manutenção e aos estragos causados pelo trânsito de caminhões em direção ao Porto de Paranaguá. A mudança que deverá ter maior impacto, porém, ocorrerá em Matinhos. A prefeitura irá remodelar o fluxo de veículos da região do balneário de Caiobá até o Centro, próximo à entrada da cidade através da BR-407, que leva a Pontal do Paraná.

Para isso, a prefeitura irá criar binários em toda a cidade, o fluxo de carros será alterado e várias ruas terão sentido único para organizar a circulação de carros e tentar diminuir os frequentes congestionamentos na temporada. “Se a rua for larga (entre 10 e 12 metros), ela terá sentido único e estacionamento dos dois lados. Se a rua for estreita (menos de 10 metros) ela terá sentido único e estacionamento de um lado só”, explicou o diretor do departamento da Guarda Municipal em Matinhos, Gilmar Alves Rolim, responsável pelo projeto.

Atualmente, apenas a Avenida Atlântica tem sentido único (Morro do Boi/Centro). Depois das alterações, todas as ruas paralelas à praia serão binários. Apenas a São Matheus e a Guarapuava terão mão dupla, assim como a Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira, que corta a cidade e liga a região do Centro ao ferry boat. “Essa não tem como alterar porque ela é uma rodovia”, afirmou Alves. As transversais à Avenida Atlântica também terão binários, mas algumas continuarão em mão dupla, como a Paraná, Antonina e Doutor José Rebello. Segundo o secretário, o custo da mudança está previsto em R$ 250 mil, já incluindo a sinalização, pintura do solo e colocação de taxões (redutores de velocidade).

O investimento na recuperação de ruas na cidade é completado pela colocação de brita corrida nas ruas sem asfalto. “É para deixar as ruas firmes”, salientou o secretário de Obras de Matinhos, Márcio Gasparin. Já foram colocados 9 mil m3 de brita corrida e até o fim do ano, outros 2,5 mil m3 serão aplicados nas estradas menores.

Tapa-buracos

Paranaguá já gastou R$ 10 milhões em operações tapa-buracos e outros R$ 2,5 milhões serão aplicados até o fim do ano para tentar diminuir o martírio dos motoristas ao dirigir pela cidade. O fluxo alto de carros, aliado à circulação de caminhões pesados, detonou boa parte das ruas do município. Como choveu muito nos últimos meses, a manutenção foi pequena. Com a volta do sol, as equipes da prefeitura trabalham para diminuir o atraso. “Temos de correr. Início de dezembro é época de chuva de novo”, lembra o secretário de Infraestrutura de Paranaguá, Juliano Elias, irmão do vice-prefeito Fabiano Elias.

Juliano acrescentou ainda que a usina asfáltica usada na cidade é antiga e não dá mais conta do movimento atual. Por isso, a previsão é adquirir uma usina de asfalto “à quente” no ano que vem, com custo de até R$ 5 milhões. A nova tecnologia deve fornecer material mais resistente para a pavimentação das ruas. Além disso, o município negocia um empréstimo do Banco In­­ternacional para a Re­­construção e o Desen­vol­vimento (Bird) de US$ 17 milhões, com contrapartida do mesmo valor da prefeitura, para a recuperação de ruas.

Veja matéria original

COMMENTS