Transporte de cargas traz deficiência histórica na Bahia

Com deficiências históricas na infraestrutura de transporte e armazenamento de cargas, a Bahia tem na logística um dos seus principais gargalos para atração de empresas e escoamento da atual produção

Terceira etapa da gincana do caminhoneiro será em Vitória da Conquista (BA)
Veículos longos estão proibidos de trafegar em rodovias federais no feriado Corpus Christi
Braspress inaugura filial em Barreiras (BA)

Muitos planos, poucos projetos e raras obras em andamento. Com deficiências históricas na infraestrutura de transporte e armazenamento de cargas, a Bahia tem na logística um dos seus principais gargalos para atração de empresas e escoamento da atual produção. E, por ora, a maior parte das soluções para estes gargalos ainda se encontra no plano das ideias.

O Plano de Logística e Desenvolvimento da Bahia, que está sendo elaborado no âmbito da Secretaria de Planejamento do Estado, definiu quais regiões no Estado são prioritárias para a implantação de polos para armazenagem e transporte de cargas. Ao todo, são seis sistemas denominados Oeste,  São Francisco, Carinhanha, Porto Sul, Feira de Santana e Região Metropolitana de Salvador.

Destas áreas que serão priorizadas pelo Estado, apenas Juazeiro já deu o primeiro passo para a implantação de uma plataforma logística multimodal. As plataformas são áreas que integram armazenamento, embarque e desembarque de cargas, servidas de estruturas de transportes como portos, aeroportos, rodovias e ferrovias.

Questionado sobre o estágio inicial da implantação dos polos logísticos, o secretário de Planejamento Walter Pinheiro alega que faltavam projetos no âmbito da secretaria provenientes da gestão anterior. Ele explica que o plano de logística está sendo elaborado com pensamento de longo prazo, para ser implantado nos próximos 25 anos. “Queremos transformar a Bahia numa rota de integração para o País”, diz.

Com estudos preliminares feitos em parceria com o governo da Espanha, e um terreno de 800 mil metros quadrados próximo ao porto já disponível, Juazeiro se prepara para implantar uma plataforma logística. O estudo de viabilidade deverá começar no primeiro bimestre de 2010.

A licitação para o estudo está sendo feita pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PUND), através de uma parceria com o Ministério do Planejamento. Cinco empresas – duas brasileiras, duas espanholas e uma alemã – estão no páreo para fazer o estudo, que deverá ser concluído em outubro de 2010.

O formato jurídico institucional para exploração da plataforma ainda não foi definido. Mas a expectativa é que seja aprovada uma parceria público-privada.Muitos gargalos, no entanto, ainda terão que ser superados. De acordo com o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico de Juazeiro, Carlos Neiva, o porto local está desativado e não tem capacidade de receber grandes embarcações por falta de navegabilidade no Rio São Francisco.

Além disso, é insignificante a movimentação de cargas na sucateada ferrovia FCA, que liga Juazeiro a Salvador. Do outro lado da fronteira, a realidade é outra: as frutas produzidas na região são exportadas para a Europa através do Aeroporto Internacional de Petrolina, em Pernambuco.

Os projetos para as outras regiões ainda estão num horizonte distante. O polo de Feira de Santana está sendo objeto de estudos preliminares, enquanto na Região Metropolitana de Salvador, o governo estuda a implantação do Cialog, um polo logístico na região do Centro Industrial de Aratu.

A grande expectativa no entanto fica para a região de Ilhéus, que deve se tornar um grande complexo logístico com a construção da Ferrovia Oeste-Leste, o Porto Sul e a implantação da Zona de Processamento de Exportação. (João Pedro Pitombo, de A TARDE)

Veja matéria original

COMMENTS