Terminais marítimos do Rio de Janeiro (RJ) e Angra dos Reis (RJ) recebem investimento de R$ 125 milhões

Valor aplicado será responsável pelo aumento de até oito vezes a capacidade atual do porto do Rio

Logística de carga pesada vai crescer até 40%
Governo amplia Procaminhoneiro e derruba juros para 5,5% ao ano
Ramos Transportes investe R$ 5 mi em novo sistema de gerenciamento operacional

Na sexta-feira, 23 de outubro, o Ministério dos Portos e as empresas que controlam os portos do Rio de Janeiro e de Angra dos Reis assinaram o contrato que viabilizará a dragagem nos dois terminais.  Serão investidos R$ 125 milhões, vindos do Programa Nacional de Dragagem. O evento contou com as presenças do secretário estadual de Transportes, Julio Lopes, do ministro dos Portos, Pedro Brito, e do presidente da Companhia Docas, Jorge Mello.

Do montante, R$ 122 milhões serão direcionados ao Porto do Rio, que em 2010 completa 100 anos. Segundo  sua direção, esse é o primeiro grande investimento desde a década de 90. O contrato prevê também o alargamento dos canais de acesso interno e externo e de bacias de evolução dos canais do Gamboa, de São Cristóvão e do Caju. Hoje, eles variam de 100 a 120 metros. Após as obras, chegarão a até 140 metros. Segundo Brito, o investimento será responsável pelo aumento em até oito vezes a capacidade atual do porto.

“As mudanças que serão desenvolvidas nos dois portos serão tão grandes, que é bem possível que daqui há poucos anos os avanços ultrapassem nossas expectativas. O Programa Nacional de Dragagem espera que até o final de 2010, os vinte portos mais importantes do país, incluído o do Rio de Janeiro, estejam plenamente dragados”, conta o ministro.

 “O Porto do Rio está novamente recebendo a atenção que merece. Um equipamento como este, localizado no coração da cidade, é fundamental para o aquecimento da economia do estado. Além multiplicação de empregos, este investimento será de enorme importância para estruturação da cidade para os jogos da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016”, finaliza o secretário Julio Lopes.

 Por: Bruno Martins – Redação Portal Transporta Brasil

COMMENTS