O transporte não mata só através de acidentes

40.000 óbitos por ano, 380.000 vítimas, 100.000 sequelados não são os valores reais da tragédia causada pelo trânsito no nosso país. Outros tantos vão a óbito, passam a portar doenças crônicas, evolutivas e incapacitantes em decorrência do que o transporte lança na atmosfera

Urgente, mas pode sair caro
Punir o ato faltoso do empregado pode causar dano moral
Ação da aceleração nos veículos com bancos laterais

Gases, vapores, material particulado fazem parte das agressões do transporte ao homem e ao meio ambiente.

A queima de combustível fóssil forma nuvens, neblinas ricas em óxido de nitrogênio e de dióxido de enxofre resultantes da queima de óleo diesel, gasolina e outros.

A umidade do ar, a chuva faz com que esses produtos em contato com a água reajam formando o que chamamos de chuva ácida. Causam danos ao solo, plantas, construções históricas (monumentos), animais marinhos, terrestres, etc. Podem exterminar com determinados animais e vegetais. Poluem rios e fontes de água. Pode ainda prejudicar a vida humana causando doenças do aparelho respiratório, deficiência imunológica, neoplasia e outras.

A queima de óleo diesel e gasolina também têm contribuído para o efeito estufa. O dióxido de carbono e o monóxido de carbono ficam concentrados em determinadas áreas da atmosfera bloqueando a dissipação do calor. Essa camada poluente é visível nos grandes centros e funciona como um isolante térmico. O calor fica retido nas camadas mais baixas trazendo repercussão climática e ecológica.

A queima desses combustíveis produz principalmente:

  • Hidrocarbonetos (Compostos orgânicos que contêm átomos de carbono e hidrogênio).
  • Enxofre
  • Nitrogênio

É um material extremamente agressivo ao homem e ao meio ambiente.

O enxofre é elemento indesejável em qualquer combustível devido à ação corrosiva de seus compostos e a formação de gases tóxicos como o SO2 (dióxido de enxofre) e o SO3 (Trióxido de enxofre) que se formam na combustão.

Na presença de água, o trióxido de enxofre forma ácido sulfúrico (H2SO4) extremamente corrosivo. Este é um dos componentes da chuva ácida.

O óleo diesel produzido no Brasil é o mais rico em enxofre e todos os demais gases e vapores da combustão desse e dos demais combustíveis são responsáveis por graves doenças pulmonares, câncer, desequilíbrio imunológico, má formação fetal que causam morte prematura de aproximadamente 3.000 pessoas por ano na cidade de São Paulo. O predomínio ocorre entre crianças, gestantes e idosos.

O Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) emitiu resolução determinando que a partir de janeiro de 2009 o enxofre do diesel baixasse para 50 ppm (partes por milhão). Na realidade essa proporção é de 2.000 ppm nas regiões rurais e de 500 ppm nas metrópoles. Nos Estados Unidos e Europa a atmosfera apresenta apenas 10 ppm e com tendência para zero.

É tempo de se reduzir as agressões à vida e ao planeta buscando métodos alternativos para nossa mobilidade. O transporte hoje consideramos como uma verdadeira indústria desguarnecida de qualquer meio de proteção à vida e ao meio ambiente.

Estamos evoluindo para a destruição da vida no planeta.

Já dizia o General Churchill há muitos anos:

“Cada um de nós tem que fazer alto para evitar a destruição do planeta”

Essa linha de pensamento há muito vem sendo combatida necessitando a todo o momento agregar e conscientizar pessoas, autoridades, governos, nações, antes que sejamos devorados pela nossa irresponsabilidade.

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior, médico, diretor da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego – www.abramet.org.br)
drdirceu@transportabrasil.com.br

dr-dirceu2 Visite o perfil do articulista

É proibida a reprodução do conteúdo deste artigo em qualquer meio de comunicação,eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Transporta Brasil. As opiniões emitidas nos artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Portal Transporta Brasil.

COMMENTS