Manutenção no Corredor de Exportação garante eficiência nas operações com grãos

O trabalho envolve adequações nas esteiras de transporte de grãos e nas instalações elétrica e mecânica dos equipamentos que dão suporte à recepção e embarque de cargas

Gol faz promoção em rotas da Azul
Governo estuda concessão dos serviços dos aeroportos de Viracopos e do Galeão
Antaq quer mudar regras de arrendamento

Aproveitando o período de entressafra de grãos, quando o volume de embarques cai significativamente, a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) iniciou, neste mês, serviços de manutenção no Corredor Público de Exportação do Porto de Paranaguá. O trabalho envolve adequações nas esteiras de transporte de grãos e nas instalações elétrica e mecânica dos equipamentos que dão suporte à recepção e embarque de cargas.

Os serviços são programados de maneira que permitam a continuidade dos embarques e desembarques dos granéis sólidos. A paralisação das operações é intercalada entre os três berços que compõem o Corredor de Exportação. Quando os carregadores de navios (shiploaders) de um dos berços são paralisados, os equipamentos dos outros dois permanecem em atividade. No primeiro berço, a manutenção deverá se estender até a primeira quinzena de novembro e assim, sucessivamente, até meados de janeiro.

Até o próximo sábado (31), o silo público de armazenagem – batizado de “Silão” – será completamente esvaziado para limpeza e só votará a receber grãos a partir da primeira quinzena de janeiro do próximo ano, quando iniciam os embarques da safra 2010. A unidade integra o complexo de exportação de granéis e tem capacidade para 100 mil toneladas.

Cada uma das 56 células e 27 intercélulas, que compõem o silo graneleiro, está passando por melhorias. Além da parte interna do Silão, a parte elétrica e mecânica, as esteiras, balanças de recepção e expedição e transportadores de carga passarão por uma revisão completa.

Ainda de acordo com o cronograma de serviços, nos dias 18 e 19 de janeiro de 2010, está programada a manutenção em um painel central, que reúne toda a parte de automação e os quadros de comando do sistema de embarques. A Appa alerta aos exportadores que essa etapa dos trabalhos implicará na paralisação de todos os berços de atracação durante os dois dias.

O objetivo da manutenção dos equipamentos do Corredor de Exportação é manter o Porto em condições de operar com segurança e eficiência. Os trabalhos não impedem a continuidade da movimentação de produtos, porque seguem planejamento feito com antecedência e acontecem fora do pico de safra, sem prejuízo aos usuários do terminal.

No Corredor de Exportação, onde atuam 11 terminais graneleiros, a capacidade de recebimento de cargas é de 11,2 mil toneladas/hora, a capacidade de ensilagem ultrapassa 1,2 milhão de toneladas e a capacidade de embarque é 14,7 mil toneladas/hora.

O complexo é responsável por quase a totalidade dos embarques de granéis sólidos. No ano passado, das 13,7 milhões de toneladas de granéis sólidos exportadas pelo Porto de Paranaguá, cerca de 10 milhões de toneladas foram enviadas ao mercado externo pelo Corredor Público de Exportação.

Veja matéria original

COMMENTS