Consumidores acreditam que setor de combustíveis é onde mais se verifica a prática de cartel

Além disso, eles dizem que, com isso, os consumidores são os maiores prejudicados

British Airways e a espanhola Iberia negociam fusão
Diretor da ANP considera difícil Brasil adotar carro de passeio movido a diesel
Governo estuda PAC voltado para mobilidade urbana em cidades que sediarão Copa de 2014

O setor de combustíveis foi um dos mais apontados por consumidores ouvidos pela Agência Brasil como aquele onde a falta de concorrência é comum. Além disso, eles dizem que, com isso, os consumidores são os maiores prejudicados.

Essa é a opinião, por exemplo, da assessora jurídica, Adriana Mali. Ela acredita que, no Brasil como um todo, é visível a prática de cartel na indústria petroleira, e que o fato do governo participar nos lucros faz com que não haja uma repressão efetiva.

Para ela, não há abertura para que outras empresas atuem nesse mercado e ainda não há concorrência, o que leva a preços elevados, com evidente prejuízo ao consumidor. “Eu acho que a prática de cartel cria uma concorrência desleal”, disse Adriana.

Alguns consumidores disseram perceber que são prejudicados ao abastecer seus carros. Para o policial militar Góes Braga, não há opção por serviços mais baratos nos postos de gasolina do Distrito Federal. Ele acredita que a falta de fiscalização e a omissão do governo contribuem com essa a prática. “É uma vergonha a existência de cartel, o consumidor sempre sai perdendo.”

A comerciante Ieda Santos acredita que falta consciência entre os empresários maiores e isso acaba prejudicando a todos. Na opinião de Ieda, o governo deveria coibir a combinação de preços radicalmente e, ao não fazer isso, a prática de cartel sai fortalecida. “O governo está vendo acontecer e não toma providência nenhuma pra que isso mude”, afirmou.

Já o aposentado João Carvalho, que mora no Rio de Janeiro, disse que não é comum a prática de cartel no setor de combustíveis, em sua cidade. Ele acredita que em Brasília talvez se confirme a concorrência desleal. “No Rio de Janeiro mesmo, essa prática não é visível”, diz o carioca.

Hoje (8), o ministro da Justiça, Tarso Genro, assinou acordo com a União Europeia para combater práticas desleais de concorrência, em cerimônia que marca o Dia Nacional de Combate a Cartéis.

Veja matéria original

COMMENTS