Conferência das Cidades discute aumento da frota de veículos e mobilidade urbana

O tema é fundamental para o país, que tem uma frota de 28 milhões de automóveis e 9 milhões de motocicletas

Cide ficará menor para a gasolina a partir desta sexta-feira
Hidrovia ‘da soja de MT’ fora do PAC 2
Tarifa mínima em voo internacional poderá acabar

Autoridades, empresários e representantes da sociedade civil estão reunidos hoje (1º) e amanhã (2) para debater a mobilidade urbana brasileira, durante  a 10ª Conferência das Cidades,  na  Câmara dos Deputados. O tema é fundamental para o país, que tem uma frota de 28 milhões de automóveis e 9 milhões de motocicletas.

Na abertura do evento, o ministro das Cidades, Márcio Fortes, reforçou a necessidade de que haja conscientização da sociedade sobre a necessidade de mudanças no modelo de transporte nos centros urbanos. “Temos que pensar num problema muito mais sério do que simplesmente fazer investimento. Temos que pensar na racionalização do que seja transporte urbano”, afirmou.

Segundo Fortes, o transporte coletivo precisa “atrair” as pessoas que estão paradas dentro dos carros. Essa também é a idéia defendida pelo pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Carlos Carvalho.

De acordo com números apresentados por ele na primeira mesa de debates da conferência, só na cidade de São Paulo os congestionamentos geram perdas de R$ 27 bilhões por ano. Enquanto isso, a receita anual dos transportes públicos gira em torno de R$ 35 bilhões e gera 700 mil empregos diretos.

Para Carvalho, o ritmo de aumento da frota de carros, que cresceu 9% ao ano nos últimos dez anos, e de motos, que cresceu 19% ao ano, é uma apropriação indevida do espaço público para interesse individual. “Fica o questionamento: as cidades suportam esse padrão de mobilidade onde o conforto individual supera a coletividade?”

Para o representante da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), Nazareno Afonso, a injustiça começa nos incentivos governamentais. “No ano passado, o governo injetou R$ 12 bilhões na indústria automobilística para entulhar nossas cidades de carros”, afirmou.

De acordo com ele, a expectativa dos empresários do setor é de que o PAC da Mobilidade, que vem sendo prometido há dois anos, saia do papel e permita que os estados tenham acesso a recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para investir em transporte coletivo. (Mariana Jungmann-Repórter da Agência Brasil)

Veja matéria original

COMMENTS