Rota reforça logística ao turismo e negócios

Os jatos Embraer 175 da Trip encurtam a distância de Mato Grosso ao Caribe e aos Estados Unidos. Los Angeles está a quatro horas e meia de Manaus ou a seis horas e meia de Cuiabá

BNDES ainda dispõe de recursos de R$ 4,8 bi para biocombustíveis
Diferenças atrapalham o transporte internacional
Gol fecha acordo com Iberia e capta R$ 1 bilhão

No voo inaugural o céu de brigadeiro sobre as imensas figuras geométricas formadas pela moderna agricultura mato-grossense se manteve quando a paisagem foi tomada pelo verde sem fim da maior floresta do mundo. Carreiras laterais de poltronas com dois assentos, com um largo e alto corredor ao meio acomodavam muito bem os 86 passageiros que ocupavam todos os lugares da aeronave. A ausência do chato e inconveniente terceiro assento – que fica entre a poltrona do corredor e a da janela, não é o único indicativo prático de conforto. Além dele, o espaçamento indiano entre as poltronas (leg room, em inglês) permite até mesmo aos ‘varapaus’ esticar as pernas.

Os jatos Embraer 175 da Trip encurtam a distância de Mato Grosso ao Caribe e aos Estados Unidos. Los Angeles está a quatro horas e meia de Manaus ou a seis horas e meia de Cuiabá. Ainda não há convergência para conexão rápida para as Américas do Norte e Central, no Amazonas, mas isso acontecerá “naturalmente”, observa Caprioli. Em outras palavras, em breve a nova rota deslocará o fluxo turístico para um caminho mais curto, mais econômico e consequentemente mais rápido.

Manaus tem um milhão e seiscentos e cinquenta mil habitantes e excluindo o peixe, mandioca, verduras, frutas e legumes, a base da alimentação dessa população é garantida por Mato Grosso.

Em Manaus predominam as marcas alimentícias mato-grossenses. As gôndolas dos supermercados e mercearias expõem açúcar de Nova Olímpia e Barra do Bugres, leite longa vida e lácteos de Araputanga e Juscimeira, ovos de Campo Verde, frangos e pedaços e aves de Tangará da Serra, Várzea Grande, Nova Mutum e Sorriso, arroz de Sinop e Várzea Grande, refrigerantes de Várzea Grande, óleo de soja de Rondonópolis e Primavera do Leste, cerveja de Rondonópolis, carne suína de Nova Mutum, carne bovina de Araputanga, Cáceres, Rondonópolis, Alta Floresta e Colíder, palmito de Cotriguaçu e inúmeros outros produtos.

O mercado manauara exige permanentemente a presença de representantes comerciais mato-grossenses, o que significa ocupação de assentos da Trip. Motos e eletroeletrônicos produzidos na Zona Franca de Manaus se espalham Brasil afora, sem excluir Cuiabá, o que garante mais passageiros na nova rota.

A exemplo do comércio, o turismo também tem clientela cativa nessa rota que se inicia. Mas, existe outro nicho a ser explorado: Cuiabá é importante centro nacional de medicina de especialidades, principalmente em cardiologia, reprodução humana e oftalmologia. Os aviões dos voos regionais da Trip no Amazonas certamente se transformarão em alimentadores dessa rota interestadual com pessoas que buscarão atendimento médico em Cuiabá.

COMMENTS