Licitado acesso à Perdigão

De acordo com o aviso de concorrência publicado pelo DER no Diário Oficial de Pernambuco de ontem, a data de abertura das propostas para a construção dos acessos à Perdigão está marcada para o dia 28 de agosto

Ônibus e carretas voltam a ter financiamento de 100%
Trem chega em 2012 a Água Boa, diz Valec
Falta de estrutura atrapalha transporte de produtos

As obras das vias de acesso à fábrica da Perdigão, em Bom Conselho (distante 266 km do Recife) devem sair do papel dentro de pelo menos 60 dias. O Departamento de Estradas de Rodagem de Pernambuco (DER) lançou concorrência para selecionar a empresa que vai executar a obra. As operações da primeira unidade de lácteos da empresa no Nordeste começaram no mês passado, com a produção de leite UHT das marcas Batavo e Elegê. Enquanto a intervenção não é concluída, a indústria continua usando a precária PE-218, que só deverá começar a ser recuperada no início do próximo ano.

De acordo com o aviso de concorrência publicado pelo DER no Diário Oficial de Pernambuco de ontem, a data de abertura das propostas para a construção dos acessos à Perdigão está marcada para o dia 28 de agosto. O diretor de Engenharia e Planejamento do DER, Francisco de Assis, explica que serão duas vias com um quilômetro de pista dupla e uma rótula fazendo a ligação entre elas.

O valor máximo estimado para a obra é de R$ 1,69 milhão, com previsão de execução em 180 dias. Se esse prazo for obedecido, a estrada estará pronta para uso no próximo ano. “O tempo de execução de uma obra dessas pode ser reduzido para 150 dias, mas em função do período de chuvas estamos prevendo um intervalo maior”, observa Assis. A intervenção inclui terraplenagem, pavimentação e sinalização da via.

A construção do acesso foi um dos compromissos do governo do Estado no acordo para a implantação da fábrica da Perdigão no Agreste pernambucano. Em maio deste ano, a reportagem do Jornal do Commercio esteve em Bom Conselho e publicou reportagem apontando as péssimas condições de tráfego na PE-218 e o atraso da gestão pública na sua contrapartida com o empreendimento da Perdigão.

Os acessos, que funcionam como espécie de via de entrada e saída à fábrica, vão agilizar o transporte de funcionários, matéria-prima e produto acabado da unidade. A indústria iniciou sua operação processando cerca de 55 mil litros de leite por dia, mas tem capacidade instalada para 300 mil litros de leite por dia. Quando atingir esse volume terá um fluxo diário de 15 caminhões trafegando pelos acessos.

PE-218 – Já a obra de recuperação da PE-218 vai demorar mais um pouco. Francisco de Assis diz que o projeto básico deve ser entregue entre setembro e outubro e o projeto executivo em novembro. “Trata-se de uma obra maior, com 50 quilômetros de extensão e valor estimado em R$ 18 milhões”, calcula. O trecho que será recuperado parte da BR-424, depois de Garanhuns, passando pelos municípios de Brejão, Bom Conselho e Santa Terezinha, até a divisa com o estado de Alagoas.

Outro pleito da administração municipal de Bom Conselho é a duplicação da PE-218, mas de acordo com Secretaria de Transportes de Pernambuco, essa intervenção só se justificaria quando a via atingir um fluxo médio diário de 8 mil veículos. Na última contagem realizada pelo governo do Estado, o tráfego local está na casa dos 4,5 mil carros por dia.

“A duplicação da PE-218 ainda não é uma das prioridades. Temos outras intervenções mais urgentes, como a duplicação da PE-60 e a triplicação da estrada entre o Cabo de Santo Agostinho e Suape”, ressalta Assis.

COMMENTS