Paranaguá embarcou 50% da soja exportada pelo País

A Companhia Brasileira de Logística (CBL) uma das empresas que operam em Paranaguá, deverá ter um aumento de 20% na exportação de soja em comparação ao ano passado

Falta de estrutura atrapalha transporte de produtos
Caminhoneiros enfrentam fiscalização de novas normas para rodarem nas estradas do país
Setor ferroviário prevê aportes de R$ 74 bi

Com o embarque de 2,2 milhões de toneladas do grão nos primeiros quatro meses do ano, o porto paranaense de Paranaguá foi responsável por 50% das exportações brasileiras de soja que atingiram no período a 4,4 milhões de toneladas. O terminal é o que mais movimenta grãos no país, com 8% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Cerca de 50% desta movimentação foi apenas para um mercado: a China, segundo a Appa – Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina.

A Companhia Brasileira de Logística (CBL) uma das empresas que operam em Paranaguá, deverá ter um aumento de 20% na exportação de soja em comparação ao ano passado. A expectativa é que, em 2009, a empresa embarque 1,8 milhão de toneladas do grão. Para alcançar esse volume, a empresa investiu em dois novos silos graneleiros que ampliaram a capacidade estática de armazenagem para 110 mil toneladas.

Segundo Ricardo Nascimento, diretor de portos da Cargill Agrícola, que há 42 anos atua no terminal paranaense a expectativa da empresa também é de crescimento na movimentação deste ano: “De 1,8 milhão de toneladas de soja exportadas no ano passado passaremos, a 2 milhões neste ano”, revelou.

O aumento dos embarques da oleaginosa pelo terminal paranaense, entre janeiro e abril, segue uma tendência nacional de crescimento segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. No total, a movimentação superou em 30% a quantidade exportada no mesmo período do ano passado, quando foram exportadas 3,3 milhões de toneladas.

Nesta semana, com exportações principalmente para a China as exportações de soja no Porto de Paranaguá receberão um novo impulso com movimentação de mais de 300 mil toneladas do grão. No total, oito navios levarão o produto.

Em 2008 o Brasil foi o segundo maior produtor mundial do grão e exportou 24,5 milhões de toneladas. Desse total, o Porto de Paranaguá respondeu por mais de 4,2 milhões de toneladas embarcadas. A estimativa da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) é que, em 2009, o Brasil mantenha os mesmos patamares e exporte entre 23 e 25 milhões de toneladas do grão.

Alguns fatores estão auxiliando o aumento das exportações nacionais neste momento. A China, maior comprador da oleaginosa brasileira, está aumentando seu estoque regulador, passando de 3 milhões para 6 milhões de toneladas. Além disso, há a quebra de safra na Argentina – terceiro maior produtor mundial – e o período de entressafra nos Estados Unidos, o principal fornecedor de soja no mundo. De acordo com a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina, do total da receita cambial gerada nos primeiros quatro meses do ano, as exportações de soja responderam por 18% ou US$ 700 milhões de um total de US$ 3,7 bilhões, num crescimento de 24% em relação a 2008.

Prêmio para exportação recua

O prêmio pago para exportação de soja nos terminais americanos perto de Nova Orleans recuaram na última semana em virtude do aumento das vendas no Brasil. De acordo com informações da Bloomberg News, o spot-base ou prêmio para soja embarcada pelo Golfo do México ficou entre 67 e 73 centavos de dólar por bushel (27,2 quilos) para entrega em julho, ante os 74 centavos apurados em 22 de maio.

COMMENTS