Jobim diz que modelo do setor será concessão

Entre as prioridades, comentou o ministro, também estaria a concessão de unidades como o Aeroporto de Viracopos, em Campinas, e o Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro

Aumento do IPI poderá ser gradual
Chinesa compra a Kasinski Motos e quer 5% do mercado
Biocombustível fortalece o Brasil com os africanos

A privatização da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) foi descartada novamente, desta vez, pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim. Ele ressaltou que a intenção do governo federal é instituir a participação privada nos aeroportos do País por meio de concessão. “O que está decidido é a Anac [Agência Nacional de Aviação Civil] fazer a formatação de um processo de concessão, isto não é privatização”, colocou, incluindo que o próprio presidente Lula delegou que seria realizado um estudo para implantação de mais um aeroporto no Estado de São Paulo.

Entre as prioridades, comentou o ministro, também estaria a concessão de unidades como o Aeroporto de Viracopos, em Campinas, e o Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro. Segundo fontes ligadas ao setor, a unidade de Campinas está hoje entre as mais rentáveis. O estudo a que o executivo se refere é uma encomenda da Anac que também deve trazer outros pontos, como uma reestruturação da Infraero, hoje responsável por 67 aeroportos, que poderia até levar a abertura de capital da estatal.

Resultados

Neste primeiro trimestre, o aumento da disputa na aviação doméstica refletiu-se no resultado da líder, TAM, que viu sua participação cair levemente de 49,30%, em março passado para 49,20%, em abril. A Gol viu sua fatia recuar de 39,47% para 38,77% no período, quando registrou lucro líquido de R$ 61,4 milhões. (Fabíola Binas – DCI)

Link para a matéria

COMMENTS