SC quer acelerar ritmo de liberação de recursos do PAC

Os recursos seriam aplicados na duplicação do trecho Sul da BR-101, no aeroporto de Florianópolis, na Ferrovia Litorânea e na Ferrovia do Frango, na dragagem dos portos e nas BRs 470, 282 e 280, e projetos fundamentais de contornos ferroviários e de acessos aos portos

Governo capixaba cancela 80 mil multas de trânsito
Primeiro barco brasileiro movido a energia solar começa a navegar na Amazônia
Fiscalização de combustíveis poderá ser obrigatória uma vez ao ano

O presidente da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Alcântaro Corrêa, criticou a morosidade da liberação de verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e comparou-o a “uma obra de ficção”. Corrêa disse que de R$ 1,9 bilhão previsto pelo (PAC) em investimentos na infraestrutura de transpor-te no estado no período de 2007 a 2009, somente 35,4% ou R$ 693 milhões foram aplicados até agora. Segundo ele, entre 2007 e 2010 foram prometidos R$ 2,7 bilhões e em 2008 foram acrescidos mais R$ 2,3 bilhões, totalizando R$ 5 bilhões.

Os recursos seriam aplicados na duplicação do trecho Sul da BR-101, no aeroporto de Florianópolis, na Ferrovia Litorânea e na Ferrovia do Frango, na dragagem dos portos e nas BRs 470, 282 e 280, e projetos fundamentais de contornos ferroviários e de acessos aos portos.

Corrêa mostrou que do valor anunciado para a BR-101 de R$ 1,1 bilhão entre 2007 e 2009, apenas R$ 350 milhões foram pagos, ou 31,75%.

“Se a promessa do governo federal fosse cumprida, Santa Catarina deveria receber, em média, R$ 1,2 bilhão por ano nos três anos. A média anual, no entanto, tem sido de R$ 231 milhões, resultando num déficit de R$ 1 bilhão/ano”, afirmou. Os dados do levantamento da Fiesc têm como fonte a Comissão Mista do Orçamento da União com valores atualizados até o dia 20 de abril.

COMMENTS