Arco Rodoviário do Rio vai ser entregue no prazo, prevê diretor do Dnit

O Arco Rodoviário vai influir diretamente no trânsito da região, principalmente com o aumento no fluxo de caminhões pesados

DER vai implodir rochas para desobstruir rodovia em São Paulo
José Nery: Estabilidade do Brasil é de papel crepom
Paraná retoma os estudos para construção do poliduto entre Maringá e Porto de Paranaguá

O Arco Rodoviário do Rio de Janeiro, um conjunto de rodovias que vai retirar o tráfego pesado de caminhões de dentro da cidade, serár entregue no prazo previsto, até o final de 2010, embora o processo siga atrasado em relação ao cronograma inicial.

A avaliação é do diretor-geral do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot. Ele visitou esta semana um segmento da BR-101 Sul Fluminense, para fiscalizar o andamento do processo de duplicação da rodovia, no trecho que abrange a área da Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA). A empresa, em fase final de construção, será uma das maiores do setor no país e vai influir diretamente no trânsito da região, principalmente com o aumento no fluxo de caminhões pesados.

Para facilitar o acesso à empresa, Pagot adiantou que serão construídos rebaixamentos de nível com passagem subterrânea, em vez de um viaduto, como chegou a ser cogitado, mas que encareceria muito a obra.

Pagot culpou o excesso de chuvas ao longo dos últimos meses, a instabilidade dos solos úmidos da região e as dificuldades na desapropriação de alguns terrenos pelo atraso das obras, mas garantiu que o ritmo adotado nas últimas semanas vai recuperar o tempo perdido.

Segundo ele, o trecho entre Santa Cruz e Itacuruçá, próximo à CSA, com 28 quilômetros, está seis meses atrasado. “Acreditamos que as empresas possam trabalhar em três turnos, como quer o presidente da República”, disse Pagot, que prometeu entregar o segmento duplicado até 30 de junho.

O diretor-geral do Dnit garantiu que não faltarão recursos para o projeto, apesar dos cortes determinados pelo governo no Orçamento, por causa da crise financeira. “Os orçamentos estão 100% garantidos. O arco do Rio de Janeiro tem os recursos garantidos e não contigenciados. Todas as obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) estão intactas”, afirmou Pagot, após reunir-se com o vice-governador do estado, Luiz Fernando Pezão.

O Arco Rodoviário tem um total de 129 km de extensão, sendo que 90 km estão em obras no momento. O custo total da obra é avaliado em R$ 775 milhões.

Link para a matéria

COMMENTS