Porto de Santos poderá perder cerca de 45 mil contêineres até o final do ano

Perda da movimentação dos contêineres equivale a mais da metade do crescimento das operações do porto em 2008 e ocorre devido a uma decisão da Alfândega de Santos de suspender as DTAs dos terminais do Grupo Libra

Ministério do Desenvolvimento anuncia benefícios para empresas exportadoras
Aliança Renault-Nissan anuncia nova divisão de comerciais leves
Volkswagen lança versão do 15.190 4×4

De acordo com reportagem publicada pelo jornal A Tribuna, de Santos (SP), o maior porto do País poderá perder a movimentação de até 45 mil contêineres para outros complexos portuários brasileiros. Segundo o jornal santista, a região corre o risco de deixar de embarcar e desembarcar 4.500 contêineres por mês devido a uma decisão da Alfândega de Santos.

A Aduana suspendeu, em outubro do ano passado, as Declarações de Trânsito Aduaneiro (DTA) Carga-Pátio para o transporte ferroviário de contêineres dos terminais do Grupo Libra, autorização necessária para a atividade.

Segundo Washington Soares, vice-presidente de Transporte Ferroviário da Câmara Brasileira de Contêineres, a falta da autorização obrigará os operadores a fazer a movimentação por caminhões, o que acarreta em um aumento de 15% no custo das operações.

Com o aumento do custo, as empresas afetadas planejam transferir suas mercadorias para outros complexos portuários, como Itaguaí, no Rio de Janeiro (antigo Porto de Sepetiba).

O problema tem feito com que os usuários cobrem da CBC uma solução. Segundo Soares, tal procedimento foi solicitado à Codesp. Em tese, a estatal poderia assumir o serviço, por ter autorização da Aduana para operar e administrar as áreas externas e de uso comum entre os terminais portuários.

“Se essa fiscalização não for retomada a tempo, vai haver fuga de cargas. Mais de 60 usuários, considerando as montadoras, querem levar para Itaguaí. Só não fizeram isso ainda porque querem ficar em Santos, porque têm contratos com armadores que param seus navios no terminal da Libra”.

Uma alternativa avaliada pela CBC é a utilização de outros terminais que possam receber a carga por ferrovia. “Mas haveria um custo extra, porque depois teremos que deslocar a carga para a Libra, afinal o navio programado estará lá”.

COMMENTS