Dnit licita última etapa da Estrada Boiadeira

De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, trata-se do Lote 1, com 44,3 quilômetros de extensão e valor estimado de R$ 122,6 milhões

Sindicatos paranaenses aprovam exigência de cadastro para motofretistas
Carros flex devem representar 50% da frota nacional em 2012
Gaudenzi diz que obras no Aeroporto de Guarulhos precisam ficar prontas até metade de 2009

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) publicou na sexta-feira o edital de licitação para construção da BR-487 entre Icaraíma e Cruzeiro do Oeste. De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, trata-se do Lote 1, com 44,3 quilômetros de extensão e valor estimado de R$ 122,6 milhões.

Aguardada há décadas pelos moradores do Noroeste do Paraná, a Estrada Boiadeira finalmente sai das pranchetas. Segundo o superintendente do Dnit no Paraná David Gouvêa, o órgão esperava apenas a liberação da licença ambiental do IAP para licitar a obra. A construção da rodovia beneficiará diretamente os municípios de Icaraíma, Maria Helena, Umuarama, Cruzeiro do Oeste, Tuneiras do Oeste e Campo Mourão.

Complexo de pontes – A BR-487 liga Dourados (MS) a Ipiranga, nos Campos Gerais, numa extensão total de 595 km, dos quais 470 km no Paraná. Parte dela foi estadualizada, com o nome de PRT-487 (T de transitória), no trecho que passa pelos municípios de Manoel Ribas e Cândido de Abreu, no Norte Central do estado. Por causa da grande concentração pecuária no Noroeste do Paraná e no Sul de Mato Grosso do Sul, ela ficou conhecida como Estrada Boiadeira.

No início dos anos 2000 o governo do Paraná construiu o complexo de pontes sobre o Rio Paraná, próximo a Icaraíma, em Porto Camargo, reivindicando à União a pavimentação da rodovia. A construção da Boiadeira foi dividida em cinco lotes. O trecho mais antigo, entre Campo Mourão e Cruzeiro do Oeste, tem três lotes. O lote 1, com 33 km está pronto, e o 3, com 21 km será retomado em março. O lote 2, entre Tuneiras do Oeste e Cruzeiro do Oeste tem 25 km e foi paralisado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que encontrou irregularidade na subdelegação da obra entre duas construtoras. O Dnit atendeu todas as determinações do TCU, e cancelou a licitação anterior. David Gouvêa estima que dentro de 45 dias o órgão faça a nova licitação do trecho paralisado “Em dois anos a rodovia estará totalmente construída entre a divisa e Campo Mourão”, promete Gouvêa.

O trecho em licitação terá pista simples, mas com faixa do domínio de 70 metros, já prevendo futura duplicação. Estão projetados quatro viadutos que darão acesso a Alto Paraíso, Ivaté, Maria Helena e Cruzeiro do Oeste, além de quatro rotatórias para acesso a Porto Camargo, Xambrê, Santa Eliza e Três Placas. O projeto prevê também a construção de duas pontes.

COMMENTS