Dragagem do Porto do Recife sai em fevereiro

Antes da empresa iniciar a obra, deve ser feito o contrato e também a homologação da licitação para executar o serviço, que foi vencido pela empresa Serviços de Operações Marítimas Ltda. (Somar)

VarigLog fatura R$ 30 milhões em setembro
Recuo nas vendas de caminhões preocupa setor
Câmara aprova aula obrigatória à noite para motoristas

A dragagem do Porto do Recife deve começar na segunda quinzena de fevereiro. Antes da empresa iniciar a obra, deve ser feito o contrato e também a homologação da licitação para executar o serviço, que foi vencido pela empresa Serviços de Operações Marítimas Ltda. (Somar). “Depois que essa parte burocrática estiver resolvida, a empresa tem que implantar o canteiro de obras”, explicou o presidente da estatal, Alexandre Catão.

A empresa vai realizar o serviço em três meses e meio. A dragagem deverá começar pelas áreas de atracação que ficam em frente aos cais de 5, 6 e ao terminal açucareiro. “As outras prioridades serão definidas com a draga aqui”, comentou Catão. O serviço vai custar R$ 25 milhões e será bancado pela Secretaria Especial dos Portos (SEP).

A dragagem vai beneficiar todos os operadores do Porto do Recife e fazer com que as suas operações fiquem mais viáveis. Hoje, a estatal só pode receber navios que pesem até 35 mil toneladas. Depois da dragagem, as embarcações poderão pesar até 60 mil toneladas, segundo o diretor do Sindicato dos Operadores de Pernambuco (Sindope), Ricardo Von Sohsten.

Ele também afirmou que, depois da dragagem, a expectativa é que o Porto do Recife passe a movimentar mais cargas de coque de petróleo. Por enquanto, esse produto não pode ser movimentado em Suape devido a uma determinação do Ministério Público. O coque é importado como matéria-prima pelas indústrias de cimento e é um importante energético usado pelas indústrias do polo gesseiro.

Mesmo sem a dragagem, janeiro está sendo calmo no Porto do Recife. No mesmo mês do ano passado, vários navios açucareiros esperaram dias para conseguir atracar. Houve um caso de um navio que esperou mais de 10 dias. Vários motivos contribuíram para isso. Um deles foi o Navio Perlav, que estava atracado no cais 5, e não podia ser retirado do local devido a pendências com a Receita Federal e a Justiça.

“No ano passado, as exportações de açúcar se intensificaram a partir de dezembro e aí houve concentração de navios em janeiro”, explicou Catão, acrescentando que na safra atual as exportações de açúcar começaram em outubro e foram mais bem distribuídas.

Há mais de 10 anos não é feita uma dragagem de grande porte no Porto do Recife, que deveria ter uma dragagem de manutenção permanente, já que o local recebe detritos dos rios Capibaribe e Beberibe.

COMMENTS