Brasilmaxi cresce 15% e fecha 2008 com faturamento de R$ 52,5 milhões

A Brasilmaxi, empresa de transportes e soluções logísticas, informou que fechou o ano de 2008 com um crescimento de 15% e investimentos da ordem de R$ 12 milhões

Brasilmaxi acrescenta 12 novos bugs à sua frota
Brasilmaxi recebe prêmio de Transportador Responsável
Brasilmaxi triplica área de armazenagem

Com um faturamento de R$ 52,5 milhões em 2008, a Brasilmaxi, empresa de transportes e logística, encerrou o ano passado com um crescimento de 15% em relação aos resultados de 2007. De acordo com a assessoria de imprensa da transportadora, o resultado foi reflexo dos R$ 12 milhões investidos na abertura de novas filiais, TI, ampliação dos armazéns e frota.

Para Paulo Tigevisk, coordenador de Marketing e Vendas da Brasilmaxi, em relação ao mercado, o crescimento da empresa foi muito satisfatório. “Nossa carteira de clientes também teve um aumento de 15%, mesmo diante do cenário econômico da crise mundial”, diz.

No ano passado, a empresa inaugurou a filial em Vitória, no Espírito Santo. São mil metros quadrados de área destinada, principalmente, à realização de cross docking, movimentando tudo o que chega via Porto de Vitória, com destaque para têxteis, eletroeletrônicos, produtos alimentícios, autopeças e matérias-primas.

Em Itapevi (SP), a empresa também investiu em um novo armazém, com área de 12 mil metros quadrados destinados à armazenagem. O local é utilizado para recebimento de produtos de alto valor agregado, como eletroeletrônicos e varejo, com destaque para e-commerce, e também alimentos voltados ao setor atacadista. “No Rio de Janeiro e em SP, estamos com aproximadamente 80% do espaço ocupado”, afirma Tigevisk.

Previsão para 2009

Segundo o executivo, o ano de 2009 será um período de consolidação dos investimentos realizados em 2008. “Nossa meta é encerrar com um faturamento de R$ 60 milhões, um incremento nos negócios de cerca de 12%”, comenta.

Sobre o mercado logístico, Tigevisk ressalta que ainda é muito cedo para se ter certeza da influência negativa que a crise mundial terá sobre o setor. “Porém, independente disso, a Brasilmaxi acredita que em qualquer época e, em especial, durante os períodos de crise, é necessário estar atento a todas as possibilidades de negócio”, completa.

www.brasilmaxi.com.br

COMMENTS