Projeto proíbe motorista com menos de um ano de carteira de dirigir em rodovias e estradas

No texto da proposição (PLS 110/03), Mercadante declara que "nas estradas e rodovias, em face das altas velocidades permitidas (e freqüentemente ultrapassadas), das comumente longas jornadas de viagem e do mau estado de conservação de muitas delas, os riscos de acidentes fatais são notoriamente maiores que nas vias urbanas"

Empresa aérea investe no transporte de cargas em Manaus
Portos do Paraná investem na compra de draga própria
Ponte é saída para não pagar pedágio

Tramita na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) um projeto que proíbe os motoristas com menos de um ano de habilitação de dirigir em rodovias e estradas. O autor da matéria, senador Aloizio Mercadante (PT-SP), argumenta que, se o acesso a tais vias for restrito aos condutores “mais experientes”, o índice de acidentes tenderá a cair.

No texto da proposição (PLS 110/03), Mercadante declara que “nas estradas e rodovias, em face das altas velocidades permitidas (e freqüentemente ultrapassadas), das comumente longas jornadas de viagem e do mau estado de conservação de muitas delas, os riscos de acidentes fatais são notoriamente maiores que nas vias urbanas”. A proibição, de acordo com a proposta, não se aplica nos trechos urbanos de estradas e rodovias.

O projeto de lei, que já conta com relatório favorável do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), será votado na CCJ em decisão terminativa.

Estatísticas

Em seu relatório, Suplicy apresenta estatísticas elaboradas a partir de dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), as quais relacionam o número de acidentes em rodovias federais com o de motoristas “permissionados” – aqueles com menos de um ano de habilitação e que, portanto, possuem apenas a Permissão para Dirigir. A Carteira Nacional de Habilitação (CNH) é concedida após esse período, se os condutores não tiverem cometido nenhuma infração de natureza grave ou “gravíssima” e não forem reincidentes em infrações médias.

Suplicy destaca que, com essas estatísticas, “observa-se claramente que a condição de permissionado está associada a um nível proporcionalmente muito maior de acidentes com vítimas em rodovias federais, o que corrobora quantitativamente a hipótese que motivou o projeto”.

O relator reconhece que há ressalvas em relação à matéria, citando o argumento de que a proibição seria prejudicial aos moradores de áreas rurais, que não poderiam dirigir durante o “estágio probatório” de um ano, “uma vez que as rodovias e as estradas são, por definição, vias rurais”. No entanto, Suplicy afirma que “há que se levar em consideração uma ponderação de interesses na qual a preocupação com a diminuição do número de acidentes e a vida dos cidadãos é superior a qualquer outra”. (Ricardo Koiti Koshimizu Agência Senado)

Link para a matéria

COMMENTS