Serra diz que taxa básica de juros dificulta no enfrentamento da crise

Serra afirmou que cada país deve lidar com a crise como achar mais adequado, não há regra geral

Daer padroniza nomenclatura de rodovias no RS
Mesmo sem operação nacional, PRF recomenda cautela aos motoristas durante feriado
Novos vôos diários passam a ser operados a partir de São Paulo

O governador de São Paulo, José Serra, criticou ontem (8) o Banco Central afirmando que o aumento da taxa básica de juros Selic dificulta o país no enfrentamento da crise financeira internacional.

Ele disse que o Brasil não deve seguir os mesmos passos dos outros países no combate às turbulências no mercado mundial.

“Acho que o Banco Central foi muito lento e muito imprudente este ano quando elevou os juros para as nuvens e megavalorizou o câmbio. Agora não adianta olhar para o que passou. A gente tem que olhar para frente e procurar uma saída para a situação, que acho perfeitamente exeqüível”, disse ao sair de uma audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto.

Questionado se o Brasil deve reduzir a taxa de juros a exemplo do que fizeram os bancos centrais dos Estados Unidos e de países europeus, Serra afirmou que cada país deve lidar com a crise como achar mais adequado, não há regra geral.

“Quando a economia vai bem, todos os países se parecem. Quando tem crise, é diferente em cada lugar. Não há uma receita geral para ser adotada. O Brasil tem que olhar o seu lado. Uma questão que complicou a situação do Brasil foi a política do Banco Central, com o maior juro do mundo, com o câmbio arrochado, exageradamente valorizado. É evidente que num momento de dificuldade traz problemas porque tende a forçar uma desvalorização da moeda muito acima da média mundial”, explicou, acrescentando que o governo deve agir com prudência.

O governador José Serra tratou com o presidente da concessão para a construção de um Ferroanel no estado. A obra vai permitir que o transporte de passageiros por trem, em São Paulo, passe dos 1,5 milhão de pessoas para 4 milhões até 2011, diariamente.

O Ferroanel está orçado em cerca de R$ 600 milhões e seria custeado pelas concessionárias privadas, o governo federal e o estadual.

Segundo o governador, Lula recebeu com boa vontade o pedido.

O governador disse que não conversou sobre as eleições municipais com o presidente Lula. Ele disse que trataram o assunto apenas com bom humor.

Mas ao ser indagado sobre as declarações do presidente Lula a aliados de que o PSDB, partido de Serra, o DEM e o PSB não se saíram bem no primeiro turno das eleições e perderam várias prefeituras, o governador respondeu: “Eu não sabia que ele tinha dito isso, senão perguntaria quais [cidades]”. (Carolina Pimentel –
Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS